Total de visualizações de página

terça-feira, 22 de outubro de 2019

Astrofísica: Novo tipo de tempestades é descoberto em Saturno (FOTOS)



O novo tipo de tempestades descoberto em Saturno dura entre 1,5 semana e sete meses e tem uma extensão de 4.000 quilômetros.

Uma pesquisa divulgada pela revista Nature Astronomy inclui imagens que revelam um novo tipo de tempestade nas proximidades do Pólo Norte de Saturno.
Four large storms developed on Saturn's northern polar region in 2018 at almost the same latitude, spanning 200 days and interacting with each other in a complex way. Sánchez-Lavega et al.: https://www.nature.com/articles/s41550-019-0914-9 
Ver imagem no Twitter

Veja outros Tweets de Nature Astronomy
Quatro grandes tempestades se desenvolveram na região do Pólo Norte de Saturno em 2018 quase na mesma latitude, durante 200 dias e interagindo uma com a outra de maneira complexa. 
Anteriormente, apenas eram conhecidos dois tipos de tempestades neste planeta: as relativamente pequenas, que aparecem como nuvens brilhantes e duram alguns dias, e as grandes manchas brancas, dez vezes maiores e com duração de meses.
"Até agora, conhecíamos apenas dois tipos de tempestades em Saturno: as gigantescas, de aproximadamente 20 mil quilômetros de extensão, e outras menores, de aproximadamente dois mil quilômetros", explicou Agustín Sánchez Lavega, da Universidade do País Basco, na Espanha.
Mas, entre março e setembro de 2018, o planeta foi palco de um fenômeno que nunca havia sido visto antes: uma sucessão de tempestades sequenciais que começaram inesperadamente, como focos isolados em diferentes latitudes do planeta e em diferentes momentos.

© FOTO / NASA / JPL-CALTECH / SSI
Tempestade em Saturno
O novo tipo de tormenta possui uma duração e extensão intermédias: dura entre 1,5 semana e sete meses e atinge cerca de 4.000 quilômetros.
As quatro tempestades, possuindo diferentes velocidades, acabaram interagindo umas com as outras até provocarem uma grande perturbação em todo o planeta.

© FOTO / NASA / JPL-CALTECH / SSI
Tempestade em Saturno
O estudo das tempestades em Saturno pode ajudar na compreensão dos fenômenos atmosféricos que não são diretamente visíveis, segundo o pesquisador.
A pesquisa ocorreu graças às imagens combinadas com as do telescópio espacial Hubble, enviadas pela sonda Cassini da NASA e a câmera PlanetCam do Observatório de Calar Alto.

Como serão travadas as guerras espaciais? Físicos fazem suas apostas



Na sua próxima reunião, a ser celebrada no início de dezembro, a OTAN deve declarar o espaço como um "domínio de combate", contrariando o Tratado do Espaço Sideral. Quais as consequências e qual o tipo de combate interespacial que podemos antever?

Os físicos Ian Whittaker e Gareth Dorrian, da Universidade de Trent em Nottingham, descreveram ao jornal britânico The Conversation como seriam os combates espaciais que a humanidade irá travar.
Se as estimativas estiverem corretas e a aliança militar OTAN realmente declarar o espaço como um "domínio de combate", em breve testemunharemos a militarização do espaço, que poderá ser munido tanto de armas capazes de destruir satélites, como de armamentos antimísseis espaciais.
Recentemente, a Rússia lançou um satélite comercial capaz de interagir com outros satélites no espaço. Apesar da missão desse satélite ser pacífica – ele irá fornecer serviços de manutenção a outros satélites em órbita – os físicos notam que o lançamento fez soar os alarmes na OTAN.

© AP PHOTO / SENIOR AIRMAN CLAYTON WEAR
Força Aérea dos EUA lança o foguete Space X Falcon 9, dedicado a fazer testes no espaço sideral
O fato de uma empresa russa ter a tecnologia indica que, muito provavelmente, as forças armadas já a detêm há algum tempo. Se um satélite civil é capaz de manobrar e aproximar-se de outro, um satélite militar provavelmente pode fazer o mesmo, sem ser detectado, com o intuito realizar uma sabotagem.
A França também anunciou recentemente o seu empenho na área: o país anunciou que iria lançar satélites "guarda-costas", armados com metralhadoras ou com lasers.
Esse anúncio foi feito na esteira da decisão norte-americana de criar uma Força Espacial, ligada à Força Aérea, em 2018. Foi dada a largada, e muitas outras nações devem fazer o mesmo.

© AP PHOTO / CAROLYN KASTER
Presidente dos EUA Donald Trump saúda o primeiro comandante da Força Espacial da Força Aérea do país, observados pelo Secretário de Defesa Mark Esper, em 29 de agosto de 2019

Guerra eletrônica espacial

Mas como os combates espaciais se dariam de fato? Um dos métodos possíveis envolve a irradiação de um intenso feixe de radiação em micro-ondas contra o objeto inimigo. De fato, isso já foi testado na Terra com o objetivo de forçar um carro em alta velocidade a parar, desligando todas as funções elétricas do veículo.
Se essa ideia for aplicada a um satélite, teríamos uma "arma de irradiação de energia" cósmica. Ela permitiria que uma nação neutralizasse um satélite de outra sem criar uma grande nuvem de detritos espaciais. Um ataque desse tipo poderia facilmente passar por um acidente e não seria difícil para o autor dos disparos negar qualquer envolvimento no incidente.
Os físicos notaram ainda o uso de interferências de rádio para inutilizar radares e comunicações. Isto não é uma novidade – as interferências de rádio são utilizadas como arma desde a Segunda Guerra Mundial.
Ao inundar o receptor de rádio do satélite com nada mais, nada menos do que ruído, é possível bloquear o recebimento de sinais genuínos e deixar o sistema do satélite inoperante. É como tentar ver a chama de uma vela tendo os olhos ofuscados por um farol de carro, descreveram os físicos.
Os satélites são testados com muito cuidado para que não emitam ruído de rádio. Mas se um satélite "hostil" estiver relativamente próximo e dirigir as transmissões diretamente contra o satélite, existe a possibilidade de as comunicações serem completamente interrompidas.
Um cenário de guerra eletrônica deste gênero sendo travada no espaço provavelmente já figura nas preocupações dos planejadores militares. Não esqueçamos que as operações em terra de muitas forças armadas atualmente já dependem de informações obtidas via satélite.

Armas cinéticas e satélite kamikaze

A maneira mais óbvia de atingir um satélite, segundo os físicos, é lançando um projétil sólido sobre ele. Satélites em movimento são dotados de alta energia cinética e inércia. Se um objeto se movendo mais devagar for colocado na trajetória do satélite, o resultado será uma coalisão bastante devastadora.
Esta estratégia, chamada "assassinato cinético", já foi empregada para descomissionar satélites e retirá-los definitivamente de operação. Países como os EUA, a Rússia e a Índia já demonstraram ser capazes de fazer isso. Tudo o que precisam é de uma plataforma de lançamento de mísseis em terra que lance um projétil contra o satélite. Mas se o míssil tiver como alvo um satélite estrangeiro, ele provavelmente seria detectado pelos radares.
Uma maneira mais sutil seria destruir um satélite próprio e acertar no satélite inimigo com os detritos espaciais gerados pela explosão. Algo similar a isso ocorreu em 2007, mas tratou-se claramente de um acidente.

CC BY 2.0 / NASA GODDARD SPACE FLIGHT CENTER / NASA’S HUBBLE TELESCOPE FINDS POTENTIAL KUIPER BELT TARGETS FOR NEW HORIZONS PLUTO MISSION
A proliferação de detritos espaciais na órbita terrestre pode se tornar um dos grandes impeditivos ao desenvolvimento de atividades no espaço
Em relação às armas cinéticas, as metralhadoras são as que geram maior preocupação, em função do recuo que elas causam. O recuo da arma pode retirar o satélite de sua trajetória original.
Armas cinéticas não são uma ideia nova e tentativas de desenvolvê-las já foram feitas no passado. A estação espacial soviética Salyut-3, por exemplo, estava armada com um canhão de disparo rápido, ainda em meados da década de setenta.

© FOTO/ GPA PHOTO ARCHIVE
O empuxe de uma metralhadora cinética poderia retirar o satélite de sua trajetória

Armas a laser

Armas a laser já estão sendo consideradas como as ideais para atacar painéis solares de satélites em órbita. Sem os painéis, os satélites ficam sem energia e interrompem a comunicação com a Terra.
O recuo de uma arma a laser é muito menor do que o de uma metralhadora cinética. Além disso, pela ausência de atmosfera, uma arma a laser funcionaria melhor no espaço do que na Terra.
Um laser poderia ser utilizado para cegar os instrumentos de um satélite inimigo, reduzindo a eficácia de seus softwares, sejam eles de interação ou de ataque.

CC BY 2.0 / GPA PHOTO ARCHIVE / GPM CORE OBSERVATORY
O observatório GPM em órbita terrestre. Armas a laser irão ter como alvo os painéis solares dos satélites
Os satélites mais vulneráveis a um ataque seriam aqueles dedicados à comunicação ou a tarefas de observação. Se temos satélites civis capazes de produzir imagens com resolução de 30 cm, é muito provável que os militares farão um trabalho melhor ainda. Um país que for incapacitado de observar os demais não será capaz de identificar o autor do ataque contra ele.

Como o espaço militarizado iria parecer aqui da terra?

Por causa dos filmes de ficção científica, nós imaginamos que os lasers espaciais usariam luz visível. Mas as ondas mais curtas que provavelmente seriam usadas produzem ainda mais energia.
Qualquer observador na superfície terrestre não seria capaz de ver a guerra espacial ocorrendo muitos quilômetros acima. Os únicos efeitos visíveis da guerra espacial seriam, provavelmente, os ataques cinéticos, uma vez que os resíduos espaciais gerados podem eventualmente entrar na atmosfera, gerando luz.
No entanto, a nossa vida terrestre poderia ser afetada pela perda de GPS, de serviços de televisão ou mesmo da nossa capacidade de tirar dinheiro no caixa eletrônico.
Por causa dos filmes de ficção científica, nós imaginamos que os lasers espaciais usariam luz visível. Mas as ondas mais curtas que provavelmente seriam usadas produzem ainda mais energia.
Qualquer observador na superfície terrestre não seria capaz de ver a guerra espacial ocorrendo muitos quilômetros acima. Os únicos efeitos visíveis da guerra espacial seriam, provavelmente, os ataques cinéticos, uma vez que os resíduos espaciais gerados podem eventualmente entrar na atmosfera, gerando luz.
No entanto, a nossa vida terrestre poderia ser afetada pela perda de GPS, de serviços de televisão ou mesmo da nossa capacidade de tirar dinheiro no caixa eletrônico.
Armas nucleares?
O uso de armas nucleares e outras armas de destruição em massa no espaço é proibido pelo Tratado do Espaço Sideral e pelo Tratado de Interdição Completa de Ensaios Nucleares. Mas este último não foi ratificado por países nucleares como os Estados Unidos, a China, Índia, Paquistão, Israel ou Coreia do Norte.
Um número limitado de testes nucleares no espaço foi feito na década de sessenta, como por exemplo o teste Starfish Prime, realizado pelos EUA em 1962. Como consequência destes testes, se formaram anéis radioativos ao redor da Terra, detectáveis por anos, gerando risco considerável aos astronautas. Esses anéis também foram os responsáveis por incapacitar alguns satélites que orbitavam em altitude baixa.
Considerando os resultados de testes como o Starfish Prime, os físicos consideram que algumas poucas explosões nucleares seriam o suficiente para impossibilitar atividades espaciais por muitas décadas.
Aproveitando a menção ao Tratado do Espaço Sideral de 1967, assinado e ratificado pelo Brasil em 1969, os estudiosos lembram que o tratado não permite a militarização do espaço, que é considerado zona de paz e patrimônio de toda a humanidade.

Poeira lunar pode ser grande desafio para futuras missões espaciais, diz especialista



A poeira lunar pode ser um grande perigo aos exploradores espaciais, isso porque ela além de ser abrasiva, também está em todos os lugares.

John Cain, especialista britânico sobre riscos da exploração lunar e consultor de saúde de astronautas, afirma que "é essencial conhecer a natureza da poeira lunar, compreender os seus efeitos no organismo, [bem como] desenvolver as vias de exposição identificadas e os meios para reduzir a exposição".
Com o interesse cada vez maior de grandes nações em uma exploração lunar, a poeira seria um dos maiores inibidores para que uma operação lunar seja realizada, segundo o portal Space.com.
Buzz Aldrin, da Apollo 11, afirmou que "quanto mais tempo você passa na Lua, mais fica coberto com poeira lunar do capacete às botas", confirmando a hipótese do especialista. Além disso, Aldrin afirmou que a poeira cheirava "como carvão queimado ou algo similar às cinzas em uma lareira".

© FOTO/ RGANTD
Uma das primeiras fotos do lado oculto da Lua tiradas pela estação Soviética Luna-3
O astronauta Harrison Hagan "Jack" Schmitt, da Apollo 17, registrou o primeiro caso do que foi chamado de febre do feno extraterrestre, quando foi afetado pela poeira lunar, fazendo com que suas placas de cartilagem em suas paredes nasais inchassem significativamente.
O regolito lunar (rocha altamente fragmentada sobre a superfície da Lua) pode conter dióxido de silício, óxido de ferro e óxido de cálcio, sendo que o óxido de silício é altamente tóxico e, por isso, na Terra, é responsável por causar graves doenças pulmonares.
Os estudos estão sendo elaborados justamente para entender os riscos de os astronautas contraírem doenças pulmonares, bem como descobrir como controlar a exposição humana à poeira lunar.
"Será necessário desenvolver estabelecimentos de treinamento, educação e pesquisa, e o desenvolvimento de vacinas para combater o potencial surgimento de micróbios patogênicos nos assentamentos devido a mutações", completa Cain, ressaltando que os futuros assentamentos lunares deverão exigir legislações de saúde e segurança, para garantir o estado de saúde dos astronautas.

sábado, 19 de outubro de 2019

NASA capta morte 'psicodélica' de estrela a 1.400 anos-luz da Terra (FOTO)


A NASA captou, através do telescópio Hubble, uma imagem mostrando a morte de uma estrela a 1.400 anos-luz da Terra.

A foto revela o momento agonizante dos últimos tempos de vida de uma estrela, conhecida como a Nebulosa de Saturno ou NGC 7009, situada na constelação de Aquário, conforme o tabloide Express.
A NGC 7009 apresenta apenas um único núcleo de anã branca no centro de nuvens de gás. Na imagem podemos observar nuvens azuis, amarelas, laranja e vermelhas, que são os gases expelidos durante a morte da estrela, que ocorre quando ela já não possui combustível suficiente para manter sua fusão nuclear, ocorrendo assim sua expansão e o afastamento das camadas externas.
"Estrelas normais como o Sol possuem vidas bastante calmas em suas regiões galácticas, produzindo descontraidamente calor e luz por bilhões de anos. No entanto, quando atingem a idade de aposentadoria, elas se transformam em obras de arte únicas e muitas vezes psicodélicas", afirmou a NASA.
A Nebulosa de Saturno foi descoberta pelo astrônomo William Herschel, em 7 de setembro de 1782, e está localizada a aproximadamente 1.400 anos-luz da Terra, tendo como característica uma aparência verde-amarelada.

© FOTO / NASA/ESA/ HUBBLE
Nebulosa de Saturno (NGC 7009), nebulosa planetária na constelação de aquário
A NASA também afirmou que o estudo da nebulosa é algo muito interessante pelo fato de que o Sol provavelmente terá destino semelhante.
Além disso, os cientistas acreditam que os gases liberados pela estrela morta poderão ser reciclados e utilizados para formar novas estrelas.

Astrofísica: Hubble registra 'batalha celestial' a 200 milhões de anos-luz (FOTO)



O telescópio Hubble da NASA registrou uma imagem incrível mostrando o momento em que uma galáxia está a ponto de ser totalmente destruída.

O momento flagra uma grande batalha celestial, que abrange bilhões de quilômetros e com forças gravitacionais enormes geradas por uma galáxia vizinha.
Essa força de gravidade teria torcido os braços de uma galáxia espiral, gerando explosões estelares, conforme cita o tabloide Daily Mail.
A NGC 7714 é uma galáxia espiral localizada a 100 milhões de anos-luz da Terra, o que a torna um vizinho próximo em termos astronômicos. Além disso, a NGC 7714 tem uma má relação com a vizinha NGC 7715, que é uma galáxia menor.
Rudy Pohl, um astrofotógrafo amador, ganhou seu segundo prêmio NASA Astronomy Picture of the Day (APOD) por ter atribuído diferentes cores a uma fotografia "granulada" captada pelo telescópio Hubble.

Veja outros Tweets de GOOD TO SEO
Batalha galáctica capturada pelo telescópio Hubble, enquanto uma galáxia é destruída. 
A foto mostra o momento em que as duas galáxias colidem entre 100 e 200 milhões de anos atrás, quando começaram sua transformação, fazendo com que surgissem um anel e duas longas caudas de estrelas, criando uma conexão entre as duas galáxias.
Essa conexão funcionaria como um duto, que canaliza materiais da galáxia menor para sua vizinha, alimentando a formação estelar concentrada no centro galáctico brilhante.
A galáxia NGC 7714 foi descoberta pelo astrônomo John Herschel em 18 de setembro de 1830.

A 400 km da Terra: astronauta na EEI tira FOTOS inigualáveis de colegas no espaço aberto



Em 11 de outubro deste ano, astronautas da NASA saíram ao espaço aberto para trabalhos técnicos no exterior da EEI. Uma deles, Christina Koch, documentou a caminhada para o público mundial.

Os astronautas fizeram uma caminhada espacial bem-sucedida de 6 horas e 45 minutos para substituir baterias de hidrogênio-níquel mais antigas por baterias de íon-lítio mais novas e potentes. Fotos impressionantes de Koch e seu colega Andrew Morgan mostram astronautas no espaço aberto com a Terra ao fundo.
A primeira foto com Andrew Morgan mostra-o ligeiramente fora da imagem, com o espetáculo impressionante da Terra a partir do espaço também visível.

© FOTO/ NASA
Com a Terra 250 milhas abaixo dele, o astronauta da NASA Andrew Morgan trabalha na seção P6 da Estação Espacial Internacional para substituir baterias de hidrogênio-níquel por baterias de íon-lítio
As baterias da estação espacial permitem que o laboratório orbital seja alimentado quando a EEI entra no lado noturno do planeta que, tal como no lado mais ensolarado, dura 45 minutos.

O astronauta da NASA Andrew Morgan trabalha enquanto amarrado na seção Port 6 da Estação Espacial Internacional
As baterias armazenam e distribuem energia coletada das matrizes solares de tamanho de uma quadra de basquete da estação.
Outra foto da NASA mostra a própria Christina Koch trabalhando.

© FOTO/ NASA
A astronauta da NASA Christina Koch trabalhou estando amarrada perto da seção de treliça da Port 6 (P6) da Estação Espacial Internacional para substituir baterias de hidrogênio-níquel mais antigas por baterias de íon-lítio mais novas e mais potentes
Na imagem seguinte Andrew Morgan é mostrado tendo algum divertimento.

© FOTO/ NASA
O astronauta da NASA Andrew Morgan acena para a câmera enquanto amarrado na seção P6 da EEI
Os astronautas também foram capazes de realizar várias tarefas de preparação para a próxima caminhada espacial, referiu a NASA.
Na sexta-feira (18), Christina Koch e a astronauta Jessica Meir farão a primeira caminhada espacial totalmente feminina.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Seguidores

Marcadores

astrologia (186) Astrofísica (103) magia (87) signos (84) espaço (74) espiritualidade (60) conceito (57) comportamento (55) (54) umbanda-astrologica (50) tarô (47) Nasa (46) terra (46) esoterismo (42) mulher (37) pesquisa (37) previsões (37) taro (35) conceitos (34) lua (34) umbanda astrológica (33) Foto (31) estudo (31) pesquisas (31) gostosa (30) astrofisica (27) fotos (26) religião (26) Marte (25) horoscopo chinês (25) bem estar (24) planetas (24) cientistas (23) ciência (23) horoscopo (23) climazzen (22) Astrônomos (21) astronomia (21) cabala (19) destino (19) estrela (19) arcanos (18) planeta (18) saúde (18) Sol (17) energias (17) Estrelas (16) exu (16) vibrações (16) arcanjo (15) cosmos (15) ifá (15) mapa astral (14) vídeo (14) zodiaco (14) estudos (13) umbanda-astrológica (13) Quíron (12) beleza da mulher (12) galáxia (12) poder (12) prazer (12) 2012 (11) ogum (11) sensual (11) Candomblé (10) atriz (10) biblia (10) ensaio (10) lilith (10) lingerie (10) mistério (10) astros (9) dragão (9) magia sexual (9) numerologia (9) protetores (9) regente do ano (9) rituais (9) RELAÇÕES MÍSTICAS (8) ancestrais (8) apresentadora (8) axé (8) beleza (8) escorpião (8) ex-BBB (8) odús (8) política (8) posa (8) 2016 (7) astrologia sexual (7) busca (7) carma (7) energia (7) orgasmo (7) plutão (7) São Paulo (6) ano do Dragão (6) arcano (6) casas astrologicas (6) força (6) mago (6) metodos (6) praia (6) saude (6) sexualidade (6) babalawo (5) biquíni (5) caboclos (5) calendário maia (5) criança (5) câncer (5) mediunidade (5) proteção (5) reencarnação (5) xangô (5) Capricórnio (4) Amor e sexo (3) anjo de hoje (3) anjos da guarda (2) ( 45 graus ) (1)