Total de visualizações de página

sábado, 5 de novembro de 2011

A profecia de Daniel

Francesc Darder Ramis.
O livro de Daniel, conforme consta no cânone da Igreja Católica, mostra duas características principais. Primeiro, ele é escrito em três idiomas: hebraico (Dn 1,1-2,4 segundo, 8,1-12,13), aramaico (Dn 2,4 b -7,28) e grego (Dn 13.1 - 14,42). Em segundo lugar literatura mostra três blocos que refletem três nuances teológicas: narrativas (Dn 1,1-6,29), visões (Dan 7,1-12,13), e as histórias piedosas e sarcástico contra falsos ídolos (Dn 13,1-14,42).
Durante toda esta especificação irá introduzir o leitor ao livro de Daniel a partir de uma perspectiva teológica. Começamos por descrever as mudanças históricas que levaram à e condicionado a escrita do livro. Então vamos discutir o conteúdo da profecia e indicar as pistas necessárias para a sua compreensão. Em seguida, apontar a importância da profecia de Daniel no Novo Testamento. Finalmente vamos oferecer uma breve bibliografia para o leitor a aprofundar nossa compreensão da profecia de Daniel.
1. O fundo histórico da profecia de Daniel.
Nabucodonosor II conquistou o reino de Judá e de Jerusalém a sua capital (BC 597 587 582.), E deportados pessoas mais qualificadas para a Babilônia, a capital de seu império. Mais tarde, Ciro, o Grande, rei dos medos e persas (549-529 aC.) Conquistou a Babilônia (539 aC.) E estabeleceu o Império Persa. De acordo com o relato bíblico, o rei emitiu um decreto autorizando o retorno dos deportados judeus de Jerusalém (cf. Esdras 1,2-4). A série de ondas ao longo de um contingente de exilados voltaram para Jerusalém onde, depois de muitas dificuldades, conseguiu re-consagrar o templo (515 aC).. O Império Persa incluído o reino de Judá extinta na satrapia do Eufrates, e da região que já foi, em geral, o território Judahite, passou a se tornar a província de Yehud.
Missões subsequentes de Esdras e Neemias (450-400 aC.), Fez com que a região foi administrada pelos sacerdotes sob a supervisão dos governantes persas. Conclusão do trabalho de Neemias e Esdras, a região entrou em um período lânguida. Como evidenciado pela área arqueológica foi pouco povoada e empobrecida.
Alexander começou a conquista do Próximo Oriente (336-323 aC.). A conquista foi brilhante, mas o rei morreu jovem (323 aC).. Com a morte do monarca, o império foi dividido entre quatro generais, o Diadochi, Ptolomeu (Egito), Filipos (Macedónia), Seleuco (Síria), Antígono (Ásia Menor). A região de Yehud foi realizada por Ptolomeu. Mas a guerra logo eclodiu entre os descendentes de Ptolomeu e Seleuco, eo território de Yehud, região intermediária entre o Egito ea Síria, foi crueldade tão excruciante de conflito. Ao longo do tempo a área perdida Ptolomeus Palestina para os selêucidas (198 aC.), Mas não a paz veio para a região.
O Império Selêucida sofreu assédio de os novos poderes emergentes. Os romanos, sob o comando de Lúcio Cipião, foram derrotados em Magnésia (190 aC).. Antíoco III (223-187 aC.), Rei dos Selêucidas, morreram nas mãos dos elamitas. Seu sucessor, Seleuco IV (187-175 aC.), Com a intenção de estabilizar a economia do império estabeleceu para saquear o templo de Jerusalém, mas fracassou na empresa (cf. 2Mac 3).
Antíoco IV Epifânio (175-164 aC). Selêucida usurpou o trono, deslocando seu sobrinho Demetrius, o herdeiro legítimo. O novo rei matou o sumo sacerdote de Jerusalém, Onias III. Antíoco IV lutaram contra o Egito, e se espalhou Jerusalém, falsamente, a notícia de sua morte. Jason, então, o sumo sacerdote, foi erigido em autoridade suprema de Jerusalém. Antíoco voltou do Egito para punir os líderes de Jerusalém. O sumo sacerdote Jason, temendo a repressão, fugiu antes da chegada do exército selêucida e se refugiaram no Egito. Quando Antíoco queria chicote de volta contra o Egito, os romanos, liderados por Popilio Laenen, forçou sua aposentadoria. O rei, enfurecido, atacou Jerusalém. Matou 40 mil pessoas, vendidos como escravos para vários outros. Então começou uma perseguição religiosa proibiu a prática da circuncisão e da dieta judaica, sábado excluídos ea leitura de textos sagrados. Costumes gregos enraizada em Jerusalém para frente moral judaico: ginásios nudez, nos esportes, nomes gregos, e assim por diante.
Entre os judeus havia alguns desentendimentos, como alguns tendência helenística contribuindo para a política de Antíoco, mas a oposição judaica foi notável e deu à luz o Hassidim (fariseus futuro), que lutou contra o poder despótico de Antíoco. Provavelmente, que escreveu e que compilou o conteúdo de Libor Daniel pertencia ao círculo dos Hassidim, ou pelo menos ser parte de um grupo de devotos mencionado no épico dos Macabeus. Antíoco não deixará de oprimir o povo: o Templo de Jerusalém foi rebatizado o Templo de Zeus Olímpico, eo altar foi nivelada a oferecer sacrifícios de animais imundos, incluindo porcos, divindades estrangeiras, na obra de Daniel fato de que estabelecimento está a "abominação devastadora" (Dan 9,27, 12,11, cf. 1Mc 1,54.59).
A oposição do povo judeu contra a opressão de Antíoco levou à revolta dos Macabeus. Antíoco morreu na Pérsia (164 aC).. A revolução dos Macabeus conseguiram, ao longo do tempo, a independência do país (1-2 MAC), a independência que durou até o advento do domínio romano na Palestina (63 aC).. O núcleo da profecia de Daniel nasceu durante a perseguição que os selêucidas, especialmente Antíoco IV, exercida contra os judeus.
O livro dá esperança nas almas dos judeus perseguidos por Antíoco e os que vivem na diáspora: os oprimidos anuncia a derrota do mal e do triunfo do plano salvífico de Deus para seu povo.
2. Primeira seção: histórias (Dan 1-6).
As narrativas, repleta de simbolismo, uma sombra, uma dupla mensagem. Por um lado, incutir esperança nos corações dos judeus perseguidos por Antíoco. Anunciar que a perseguição é difícil, mas falham, eo triunfo final do projeto de Deus para a libertação do seu povo. Por outro lado, as histórias lembrar os judeus da diáspora necessidade de manter-se fiel à fé judaica como uma maneira de prosperar e obter pagãos exclusivo reconhecer a divindade do Deus de Israel.
    1. Daniel e seus companheiros na corte de Babilônia (Dn 1,1-21).
O rei Nabucodonosor mandou o prefeito a escolher entre Aspenaz nobre esporte alguns israelitas como servos do palácio. Entre os escolhidos está Daniel e seus companheiros, Hananias, Misael e Azarias, que Aspenaz mudar o nome com Belsazar, Sadraque, Mesaque e Abednego. Os quatro jovens, desejosos de manter a integridade de sua fé, convenceu o prefeito, que lhes permitam seguir uma dieta de acordo com seus costumes religiosos. O inspector dará apenas vegetais, ea aparência da juventude ea força de sua preparação torres sobre o resto dos eleitos. O Senhor recompensou o comportamento dos jovens, lhes deu o conhecimento profundo e lhes permitiu interpretar visões. A narrativa coloca a eventos na Babilônia com a intenção de incutir a moral entre os israelitas que vivem na diáspora, simbolizava após a metáfora do exílio, para que vivam segundo os preceitos da fé judaica. A história também dá coragem nos corações dos judeus que habitam em Jerusalém no início do período helenístico, para que possam diante os problemas da cultura pagã que mina o espírito dos judeus.
    1. Primeiro sonho da estátua de Nabucodonosor (Dn 2,1-49).
O texto mostra uma mudança abrupta, porque de 2,4 Dn ª já não escrito em hebraico e aramaico começa a escrever. Nabucodonosor tem um sonho e usa assistentes para adivinhar o conteúdo e interpretar o significado. Os adivinhos são incapazes, mas Daniel vai para Nabucodonosor a se relacionar e interpretar o sonho.
O rei viu uma enorme estátua, cuja cabeça era de ouro, peito e braços de prata, o ventre e quadris de bronze, pernas de ferro e ferro e argila pé parte parte. Uma pedra atingiu o pé, ea estátua desceu, mas o tropeço se tornou uma montanha que encheu toda a terra. Após relatar o sonho, Daniel passa a interpretá-la. A cabeça de ouro representava Nabucodonosor. Após um reinado de Nabucodonosor, parece menos simbolizado pelo peito e braços de prata, em seguida, nasce um terceiro reino, disse que depois que a imagem da barriga e os quadris de bronze, e finalmente entrar na história de um quarto reino, mencionou depois a metáfora da pernas de ferro, que pulverizou todos os outros, mas que último reino é dividido, como indicado pela composição dos pés em parte de ferro e argila parte. O impacto devastador da pedra que simboliza a decisão divina para acabar com o império do mal, ea montanha que se eleva a partir da pedra é a metáfora do Reino que Deus estabelece toda a terra.
A intenção da história é para restaurar a confiança no triunfo do plano de Deus para os judeus que sofrem perseguição de Antíoco IV. As cinco partes da estatura simbolizando a seqüência histórica de poderes que têm Judá oprimidos. Após a menção de a cabeça de ouro está escondido esplendor da Babilônia, no peito e braços de prata referem-se à força dos medos, da barriga e quadris escondem a ferocidade das pernas de ferro Persia simbolizar a grandeza do Império Alejandro. Alexander morreu (323 aC.), O império foi dividido entre seus generais, o Diadochi, daí a menção de pés da estátua, em parte de ferro e barro parte. Os descendentes de Ptoloneo Palestina recebeu, mais tarde (198 aC.) Caiu para o Selêucidas, descendentes de Seleuco geral. A selêucida Antíoco IV Epifânio (175-164 aC). Cruelmente oprimidas do povo judeu (cf. 1Mc 1,10-15).
A descrição da sucessão de grandes potências, evoca imagens da literatura antiga quando eles próprios dizem, poeticamente, a sucessão das eras da humanidade (cf. Hesíodo, Trabalhos e Dias). No entanto, a apresentação da Escritura não se limita à análise histórica, mas, a partir de uma perspectiva teológica, enfatiza o triunfo do plano de Deus para a humanidade. A iniciativa divina para acabar com o mal aparece após a metáfora da estátua de pedra demolida, ea decisão divina para estabelecer uma nova ordem social aparece após a menção da montanha onde a pedra se torna.
Nabucodonosor, admirando a sabedoria de Daniel, se prostra diante do profeta e reconhece que o Deus dos judeus é o Deus dos deuses. A partir desta perspectiva, a história é também uma catequese destinada a judeus da diáspora. Aqueles na diáspora devem manter a firmeza de sua fé, mas deve também demonstrar um estilo de vida semelhante ao de Daniel, que resultou no reconhecimento da divindade pagã exclusivamente o Deus de Israel.
    1. A estátua de ouro (Daniel 3,1-100).
Nabucodonosor construiu uma imagem de ouro e mandou todos para o culto, mas Sadraque, Mesaque e Abednego recusou a se curvar diante da imagem. A admissão de jovens é um testemunho ilustres da fé judaica em tempos de adversidade: "Nosso Deus a quem servimos é capaz de entregar {...} mas mesmo se isso acontecesse, você deve saber, ó rei, que não serviremos a teus deuses" ( Dn 3:17-18). O rei ficou furioso e ordenou aos seus servos para lançar jovens na fornalha, as chamas devoraram os servos, mas não prejudicar os jovens. Quando a narrativa tem exposto as chamas corpo jovem cair, a história é interrompida aramaico (Dn 3,1-23) ea exposição começa em grego (Dn 3,24-90). O texto grego diz que os jovens andam as chamas sendo que abençoe o Senhor (Dan. 3,24). Em seguida, lemos uma oração cantada por Azarias (3,25-90), o nome hebraico de Abednego. Azarias, em sua oração, ele reconhece a justiça de Deus, quando ele puniu o povo pecador ao longo da história, mas acima de tudo, pede ao Senhor para não abandonar suas comunidades e quebrar a aliança. O menino implora para a intervenção de Deus em favor do seu povo para que todas as nações reconheçam a divindade única do Deus de Israel.
Após a oração de Azarias, o texto indica a presença de um anjo que vaga com o hormônio da juventude. O mensageiro divino quebra o poder das chamas e faz um vento refrescante executado através do forno, assim, os jovens são inofensivos para o assédio de fogo (Dn 3,46-50). Os três jovens cantam uma oração que enfatiza a ação divina no cosmos, com a oração agradecer ao Senhor, que eles lançaram o poder da morte (Dn 3,51-90).
De repente, ele parou o texto grego ea narrativa continua em aramaico (Dan 3,91-100). Nabucodonodor, atordoado, observando os jovens passares pelo fogo, e entre eles andarei percebido como quarto personagem cuja imagem reflete a aparência de um deus. O rei reconhece a lealdade dos jovens que escolheram a arriscar sua vida em vez de adorar a estátua. Deus abençoe o Rei dos jovens e se enche de coisas boas.
A narrativa visa inserir no coração dos israelitas oprimidos por Antíoco IV a coragem de permanecer leal durante o cerco de perseguição, bem como dá coragem no espírito dos judeus que vivem na diáspora para dar testemunho Deus vivo à tentação idólatra.
A magnificência da estátua simboliza a aparência monolítica do poder de Antíoco. A crueldade de Antíoco contra os judeus aparece por trás da decisão de jogar Nabucodonosor da juventude no forno (c f. 1Mc 1,10-15). A piedade dos judeus surge na oração de Azarias ea música da juventude no forno. Intervenção divina em nome de seu povo e contra adversários listados na menção da morte do mal, simbolizado a situação após os servos devorado pelas chamas (Dan 3,22.48), e do lançamento do elenco jovem no fornalha (Dn 3,50), uma metáfora dos fiéis. A salvação dos três jovens que aparecem depois da menção da presença do personagem quarto, com o rosto divino (Dan 3,92), que incentiva o surgimento de um vento refrescante que corre através da fornalha (Dn 3,50). O quarto personagem é o símbolo da ressurreição, que atinge os israelitas fiéis, enquanto o ar fresco que viaja através do forno, uma alusão à brisa suave do paraíso (Gn 3.8), a metáfora humanidade redimida é a metáfora de uma nova vida desfrutada pelos mártires: a participação no Reino de Deus.
A história também dá coragem nos corações dos judeus da diáspora, que pode testemunhar a sua fé para os pagãos. A este respeito, a lealdade dos jovens fazendo com que Nabucodonosor, o símbolo das autoridades pagãs, abençoe o Deus de Israel e de bens para encher três companheiros, metáfora judeus fiéis para a vida na diáspora.
    1. Segundo sonho de Nabucodonosor: a árvore (Dn 4,1-34).
Nabucodonosor sonhou que no meio da terra era uma árvore, cuja altura chegava até o céu. Um guarda, um santo, desceu do céu e ordenou que a árvore foi morto, mas ordenados a deixar o tronco com as raízes presas com correntes. De repente, o sonho, em vez de se referir diretamente à árvore, refere-se obliquamente a Nabucodonosor, "que perturbam a mente humana e adquiriu instintos para viver como um animal durante sete anos" (Daniel 4.13). Daniel interpreta o sonho. A árvore simboliza o rei. O guarda dobrada a ordenação árvore refere-se à decisão do Todo Poderoso contra o rei. O rei castigado por Deus, aparece depois a metáfora do louco que vive com os animais. A referência aos sete anos mostra que a vergonha do monarca não é eterna, mas limitada no tempo. O coto com raízes presas com correntes significa que o rei recuperou o trono, ele reconhece que o poder está em Deus. Daniel diz ao rei que o remédio para seus males é dar esmola e ajudar os necessitados em troca de que o Senhor perdoe (Dn 4,24, cf. Jon3, 9).
A história não pára em matéria do sonho e mostrar o seu significado, mas também revela o cumprimento. Após 12 meses, quando Nabucodonosor andando no terraço do palácio, uma voz do céu disse que ele tinha perdido o seu reino. Só o Todo-Poderoso no poder e dá para quem você quiser. Nabucodonosor foi expulso de entre os homens. Mas após um tempo determinado, o rei abençoou o Altíssimo, que a razão ea acreção recuperou o poder sobre o antigo reino perdido. Finalmente, o texto mostra como Nabucodosor torna-se então louvores e glorificar o rei dos céus.
A árvore que inclui Nabucodosor evita a árvore cósmica que diz, em linguagem religiosa, a ponte entre Deus eo homem (cf. Ez 3), mas acima de tudo, lembra-se do conteúdo da história da imagem de ouro (Daniel 3 , 1). Esconde a grandeza da árvore magnífica de Nabucodonosor (cf. Gn 11:1-9), mas depois a força do falecido imperador Antíoco dureza exercida pelos judeus. A intenção do texto enfatiza dois aspectos. Por um lado indica o senhorio exclusivo de Deus sobre a história. O poder do soberano está sujeito a decisão de Deus que concede o poder para aqueles que desejam, nesse sentido, a história restringe a tirania de Antíoco. Além disso, a narrativa mostra como Nabucodonosor, Daniel sugere a prática da penitência por seus pecados para que você possa continuar a prosperidade do rei, a partir dessa perspectiva o texto indica a conversão necessária dos reis pagãos para que eles possam permanecer no poder só Deus dá.
A narrativa resume a árvore, provavelmente, diferentes histórias. O texto reforça a fé dos judeus da diáspora, ele sugere que os pagãos, representados pelo rei, tornando-se o Senhor, mas também sinaliza o fim da perseguição de Antíoco, para mostrar a natureza efêmera de poder viver longe Quines o Senhor.
    1. Baltasar Jantar (Dan 5,1-6,1).
Rei Belsazar deu um banquete. Ele ordenou que os óculos que seu pai Nabucodonosor tinha tirado do templo de Jerusalém. O rei profanou os copos em honra dos deuses pagãos. Dedos em seguida, veio escrito na parede evoca. Os magos eram incapazes de ler e interpretar as palavras. Daniel, por sugestão da rainha, foi levado para o palácio. O profeta, após denunciar o orgulho do monarca, ler e decifrar a mensagem. A carta dizia: Mene, Mene, TE'KEL e Parsim. (Alguns intérpretes acreditam que a duplicidade do mene palavra é uma repetição, e suprimir a segunda recidiva da palavra). O mene termo significa "dinheiro" simboliza que o Senhor estabeleceu limites para o reinado de Belsazar. TE'KEL voz, pesado, indica que Deus pesou a dignidade do rei, e tem achado em falta. O parsim palavra, dividida, mostra que o reino foi dividido e dado aos medos e persas. Baltasar, impressionado, ordenou Daniel vestido roxo, mas o sonho se tornou realidade: Belsazar foi morto naquela noite, e Dario, o medo tomou o reino.
A história apresenta impressões históricas e notas que foi Dario que assumiu o reinado de Belsazar, quando o Império Babilônico foi conquistada por Ciro. Os anacronismos certificar que o objetivo da narrativa não guardar na crônica, mas na abordagem teológica da história. As quatro palavras simbolizam o mistério da sucessão de quatro impérios que Israel oprimidos. O mene voz simboliza Babilônia, a segunda recidiva da palavra refere-se a mídia mene, o termo é a metáfora teqel Pérsia, eo termo se refere parsim império de Alexandre dividido entre seus generais depois. Os quatro termos também evocam o valor decrescente de certas medidas de peso, que enfatizam a tirania dos vários poderes: o termo evoca mene mina o valor equivalente a 571 g, a voz se refere à shekel consistente teqel 11,4 g., a palavra sugere PASIM metade do valor do meu.
A mensagem teológica é óbvio, a história tem visto uma sucessão de grandes impérios que oprimiu a Israel, mas todos os poderes se apressaram em ruína, por isso, também Antíoco IV, o opressor dos judeus que se esconde o livro de Daniel , vai sentir seu trágico fim.
A história dá esperança para os judeus que apoiam a perseguição de Antíoco, mas os últimos versículos contém uma mensagem de encorajamento para os judeus da diáspora. Daniel, um símbolo dos judeus fiéis da diáspora, ele ganha o respeito da rainha, uma metáfora para os líderes pagãos, a ponto de ser homenageado pelo próprio rei. Então mime Daniel no exílio foi o portador de inspiração divina (Dan 5,11), então os judeus da diáspora devem procurar a oportunidade de testemunhar o Todo-Poderoso.
    1. Daniel na cova dos leões (Dn 6,2-29).
Daniel se destacou em todos os aspectos e Dario, o rei pensava constituí-lo na frente de todo o reino. Os sátrapas, comido com inveja, significava que o rei emitiu um decreto condenando à morte que dirigiu a sua oração a qualquer deus ou homem que não seja o próprio rei. Os sátrapas acharam a Daniel orando e denunciou ele. O rei ordenou que relutantemente Daniel fosse lançado na cova dos leões, mas o monarca disse ao réu: "O teu Deus, a quem você serve tão fielmente, Hail" (Dn 6,17). No dia seguinte, o rei entrou na cova e acharam a Daniel vivo. O profeta disse ao rei que o Senhor, conhecendo sua inocência, o salvou. O rei ficou satisfeito e ordenou o nome de Daniel foi homenageado por todo o império, e, em troca, ele ordenou que os sátrapas mal foram lançados na cova. Daniel prosperou durante o reinado de Dario e Ciro.
A ordem em que aparece as palavras de Darius e Cyrus é um anacronismo histórico que brilha a intenção teológica da história. A narrativa é uma catequese destinada a reforçar a fé dos judeus que vivem na diáspora. Daniel aparece como um oficial muito competente, o texto que convida os judeus da diáspora para servir efetivamente o governo do país onde vivem. No entanto, a utilidade é nunca comprometer a identidade cristã, que é por isso que Daniel, apesar de o rei emitiu um decreto adversos continua a orar ao Senhor sem desvios após os ídolos. Na diáspora, a força dos judeus despertar a inveja do mal, representada pelos príncipes, ea admiração da feira, simbolizado pelo rei, que valorizava a sua entrega. Os judeus da diáspora vão sofrer a perseguição dos ímpios, como Daniel sofreu quando ele foi jogado na cova, mas mais forte do que a busca do favor divino irá livrá-los do mal, e salvou Daniel das garras dos leões.
A narrativa é também uma exortação dirigida aos judeus que sofreram a perseguição de Antíoco, a repressão aludida denúncia individual de decisão e os sátrapas do rei para jogar Daniel na cova. Embora seja difícil não acabar com a perseguição dos judeus para o Senhor salvará o seu povo. Finalmente, a narração se refere simbolicamente à ressurreição. Os leões 'den morte é, nesse sentido, o termo "leão" é uma metáfora do "caos" (Sl 91,13). Daniel diz ao rei que Deus "enviou o seu anjo" (Daniel 6.22), ea presença do anjo, como com o quarto episódio da personagem forno (cf. Dn 4,92), é uma metáfora para a ressurreição.
  1. Segunda seção: as visões (Dan 7-12).
O apocalíptico surgem depois que o conteúdo teológico das visões. O apocalíptico é o herdeiro corrente espiritual da profecia, anunciando a intervenção de Deus na história, no final dos tempos. A ação divina irá facilitar a queda do mal e do triunfo do plano de Deus para os fiéis. O objetivo das visões é inserir no coração dos judeus perseguidos por Antíoco a certeza da intervenção salvífica de Deus, enfatizando a destruição que aguarda os ímpios. Assim, o texto estimula a resistência dos judeus perseguidos, mas também aumenta a fidelidade ao Senhor para cada crente que sofre de arrancamento de opressão.
    1. Os quatro animais (Dn 7,1-28).
Daniel anotou o sonho tinha tido o primeiro ano de Belsazar. Os quatro ventos do mar agitado deixando quatro animais. O primeiro era como um leão com asas de águia, as asas arrancado e ficou como um homem, era dotado de mente humana. O segundo era como um urso em que uma voz lhe disse que ele poderia devora muita carne. O terceiro parecia um leopardo com quatro asas e quatro cabeças dotadas de poder. O quarto animal era terrível e forte, tinha dez chifres, mas foram retirados três para que ele pudesse emergir, incluindo um pequeno chifre. Naquela época, alguém coloca um velho e sentar-se tronos, milhares e milhares o serviam e se pôs diante dele. O chifre que tinha surgido de proferir animal insolente, mas o animal foi morto e jogado no fogo. De repente, Daniel viu alguém como o Filho do homem que foi levado para o velho recebeu o poder, e serviu-lhe todos os reinos.
Um destes oferece a interpretação de Daniel da visão: as quatro bestas representam reis que governam o mundo, mas no final do tempo, será o fiel do Altíssimo que possuem o mundo para sempre. O artista enfatiza a identidade do quarto animal é um quarto reino que irá devastar a terra, os dez chifres são dez reis que surgirão a partir deste reino, o chifre que se destaca é a metáfora de um monarca que irá deslocar outros três reis para se sentar sobre o trono. Oprimem os fiéis do Altíssimo, mas será removido ea realeza será dada aos fiéis do Senhor.
O mar agitado é um símbolo de idolatria da qual fluem os quatro poderes criticou Israel. A primeira besta simboliza Babilônia. A segunda é a mídia, urso, conhecido por sua crueldade (cf. Is 13,17-18). A terceira é a Pérsia, os quatro asas e quatro cabeças podem se referir aos quatro reis persas mencionados nas Escrituras (Ciro, Artaxerxes, Xerxes e Dario III). O quarto animal evoca o Império de Alexandre. A partir de 198 aC., A Palestina era governada pelos Selêucidas, os dez chifres referem-se, provavelmente, à sucessão de reis que levou à dominação de Antíoco IV. Que figura abaixo o rei palavras do pequeno chifre, como o monarca despótico teve que eliminar três pretendentes a reinar. A opressão de Antíoco não vai durar para sempre, para a velha metáfora do Senhor, entregar o poder, no final do tempo, para a comunidade de fiéis, simbolizada após a metáfora do Filho do Homem.
A mensagem da visão é uma exortação dirigida aos judeus oprimidos por Antíoco para suportar o jogo de perseguição. O texto enfatiza dois aspectos. Por um lado aponta para derrotar o malvado rei, como a besta eo chifre, uma metáfora do império eo rei será destruído. Por outro lado, anuncia o triunfo da comunidade de fiéis simbolizado pelo filho do homem para o mais velho, um símbolo do Senhor, para fazer justiça para tomar posse do reino.
    1. O carneiro eo bode (Dn 8,1-27).
A narrativa em aramaico é interrompido e reinicia o história em hebraico. Daniel vê um carneiro junto ao rio, o animal tinha dois chifres, um maior que outro, mais alto que ele tinha deixado o menor. Ram os carneiros em todos os lugares sem qualquer animal pode lidar. De repente, Daniel viu uma cabra do oeste, entre os olhos foi um grande chifre. Colidiu com o carneiro e lhe quebrou os dois chifres. O bode cresceu, e parecia mais forte quando o chifre que tinha split, mas saíram quatro chifres, um deles saiu um chifre pequeno que cresceu e atingiu a terra santa, aboliu o sacrifício diário para estabelecer iniqüidade e profanaram o santuário.
Entrou em cena dois personagens cujo diálogo assinala o fim da perseguição de Antígono, simbolizada com a referência à abolição do sacrifício perpétuo ", quando dentro de 302.000 tardes e manhãs o santuário será restaurado" (Dn 8,14). Gabriel explica a Daniel o significado da visão sobre o fim dos tempos. O carneiro com dois chifres representa os reis da Média e da Pérsia. O bode representa o rei da Grécia, eo chifre que você tem é a metáfora do primeiro rei. Que nação se quatro reinos, simbolizados pelas quatro pontas do jogo Primavera chifre. No final de um rei surgirá insolente, escondido atrás do pequeno chifre, que oprimem o povo de Deus. No entanto, o rei iníquos serão destruídos sem intervenção humana.
A visão é uma leitura simbólica da história mundial para destacar o triunfo do plano de Deus para as astutas ciladas do diabo. Assim, o autor dá coragem nos corações dos judeus perseguidos por Antíoco, anunciando o fim da opressão e destruição do ímpio rei.
O carneiro com dois chifres representando Média e da Pérsia, um chifre é maior do que o outro, porque a força militar persa prevaleceu sobre os medos. A cabra que simboliza carneiros o Império Grego, ea força da buzina indica a força de Alexander. O abade do bode carneiro, porque Alexander destruiu o Império Persa. A excelência de chifre de bode simboliza a força de Alexandre, mas o rei morreu jovem (323 aC). E a morte ocorre após a imagem de chifre partido. Quando Alexandre morreu, o império foi dividido entre seus generais, Ptolomeu (Egito), Filipos (Macedónia), Seleuco (Síria), Antígono (Ásia Menor).
Os quatro reinos que surgem a partir do império de Alexandre aparecer após a menção dos quatro chifres que brotam chifres em vez do partido. De um desses chifres, o reino de Seleuco, os fluxos de um chifre pequeno, Antíoco IV metáfora, o que contamina o santuário, em referência aos atentados de Antíoco contra a religião judaica e contra o templo de Jerusalém. No entanto, o texto enfatiza que a repressão contra o povo de Deus tem um limite: "2.300 tardes e manhãs" (Daniel 8.14). O conteúdo da visão dá coragem aos judeus perseguidos por Antíoco, o rei não no mal eo triunfo final dos fiéis do Senhor.
    1. As setenta semanas (Dan 9,1-27).
Daniel refletiu sobre os setenta anos, de acordo com a profecia de Jeremias (cf. Jr 25,11-14), foi a última a ruína de Jerusalém. O profeta denuncia o pecado do povo e reconhece que as calamidades do país depois de bater o castigo divino contra a impiedade da nação. Mas Daniel, que conhecia a misericórdia divina, implorando o favor de Deus para o rebeldes. O Senhor, através de Gabriel explica a Daniel o significado dos eventos que corre entre a vida do profeta. Setenta semanas foram fixadas ao fim na Cidade Santa é dedicado crime eo mais santo. Desde que foi dada a ordem para reconstruir Jerusalém até a chegada de um príncipe ungido vai passar sete semanas, depois de 72 semanas, valas e ruas será reconstruída. Completou a semana 72 serão removidos ungido príncipe, inocente. Chegará um rei para varrer a cidade eo santuário. Durante uma semana estabeleceu uma aliança com muitos, no meio da semana e pôr fim ao sacrifício e oferta, e em pé sobre o altar a abominação, tudo permanecerá assim até que mandou derrubar a ruína devastadora.
A visão está estourando com o conteúdo simbólico marcado por uma sucessão de três períodos. Profecia de Jeremias que o Senhor anunciou Judá por setenta anos submete à tirania do rei da Babilônia, mas, uma vez que o final do ano a tortura de pessoas e de Deus ao monarca hurtling perverso. Da mesma forma, a profecia de Daniel define o espaço de setenta semanas para acabar com a vergonha do povo e do lugar santíssimo é dedicado. O primeiro período é definido após a menção das sete primeiras semanas: ela simboliza o tempo decorrido desde o início da reconstrução de Jerusalém (cf. Esdras 1,2-4) até a chegada do ungido o primeiro sumo sacerdote Josué (Zc 3, 1-10) (ca 515 aC.). O segundo período, os seguintes 62 semanas, o tempo para cobrir o assassinato do ungido segundo o sumo sacerdote Onias III (171 aC.), Até o início da perseguição de Antíoco. O terceiro período é a última semana caracterizou a opressão de Antíoco contra o povo, mas durante essa semana e anunciou a ruína iminente de devastador.
A visão é, novamente, uma exortação para incentivar a esperança dos judeus sofrendo perseguição de Antíoco, o texto enfatiza dois aspectos. Primeiro diz que a dor da nação é o resultado de seu pecado (cf. Dt 27-28), mas enfatiza, por outro, que a vergonha não é o destino final das pessoas, porque o Senhor colocou um ponto final e mandatou o sofrimento a ruína devastadora.
    1. A visão final (Dan 10,1-12,13).
A visão final é um quadro em que há três seções. O primeiro, à guisa de introdução, prepara a mente do leitor para a compreensão teológica da visão (Dn 10,1-11,1). A segunda descreve a miséria que ele suportou Israel e pontos no final, a destruição dos ímpios (Dan 11,2-45). O terceiro enfatiza o triunfo dos justos que prevê a ressurreição (Dn 12,1-13).
Daniel, no meio de uma revelação, ele viu um homem vestido de túnica de linho, e cingido com um cinto de ouro. O homem revelou a Daniel o que aconteceria nos últimos dias, e está registrado no Livro da Verdade (Dan 10,1-21). O conteúdo da divulgação relaciona, por meio de um vocabulário metafórico, a desgraça que atingiu Israel entre as idades IV-II (Dn 11,1-20), e culminando com a repressão desencadeada por Antíoco IV contra o povo judeu (Daniel 11, 21-45). Apesar da crueldade de Antíoco, o texto enfatiza como as pessoas que conhece ao seu Deus se tornará forte. Os médicos continuam a educar a comunidade, mas seus esforços lhes custar a vida. A opressão ímpio rei exercido até encher a ira de Deus quando o momento final de seu acampamento montado entre o mar ea montanha glorioso santo: então virá o fim e ninguém virá em seu auxílio.
Sentado à noite dos maus, o texto refere-se a vitória dos justos (Dn 12,1-13). No tempo de angústia surgirá Miguel. Quando esse tempo chegar, todos os filhos do povo que são inerentes ao livro é guardado, muitos dos que dormem no pó da terra ressuscitarão, uns para a vida eterna, outros para vergonha, para o castigo eterno. Daniel ouviu dois homens que relatam que vai acontecer quando o conteúdo da promessa: "Dentro de três anos e meio, uma vez que você terminar a perseguição do povo santo, todas estas coisas aconteçam." Finalmente, o Senhor conforta Daniel permanecer fiéis em tempo de perseguição, ao mesmo tempo que prevê a ressurreição no último dia.
A mensagem da visão que você quer, mais uma vez cheio de esperança aos corações do povo submetido à crueldade de Antíoco, mas a esperança além do horizonte humano de anunciar a ressurreição. As imagens a respeito da ressurreição tinha sido parte da mitologia de Baal, de modo que os israelitas resistiram por muito tempo a adotar a doutrina sobre a vida após a morte. No entanto, a gravidade da perseguição de Antíoco levou à exposição teológica da certeza da vida eterna para aqueles que viveram de acordo com a justiça de Deus (cf. 2Mac 7.9), em que sentido Dn 12 (cf. Is 26 -27) anuncia a certeza da ressurreição de ter Quines viveu como os preceitos divinos.
  1. Seção Três: contos grego (Dn 13,1-14,42).

A profecia de Daniel conclui oferecendo três histórias escritas em grego. O primeiro diz respeito a história de Susana (Daniel 13,1-64). Dois idosos mal ameaçando-a com carga Susana uma ofensa sexual falsa se compromete a manter relações com eles. Ela prefere a suportar a ignomínia de uma acusação mentirosa, em vez de desobedecer os preceitos do Senhor. Os anciãos denunciar trapaças, mas parece Daniel, que habilmente expõe a malignidade dos idosos, e retorna para honrar Susan de que a perfídia do velho queria tirar. A segunda história, Daniel e os sacerdotes de Bel (Dn 14,1-22), ridiculariza a natureza da idolatria praticada pelos pagãos com quem vivem os judeus da diáspora. A terceira história, Daniel eo Dragão (Daniel 14,23-42), ironicamente para o fim da falsidade dos ídolos, e destaca após a menção ao profeta Habacuque (Dn 14,33.39), a intervenção efetiva de Deus em para o seu povo.
As três histórias são dirigidas aos judeus que vivem entre os pagãos. História de Susan inspira coragem em que vivem na diáspora para depositar confiança em Deus e permanecer fiel às regras do judaísmo. O chicote duas outras histórias com sarcasmo a estupidez de idolatria (cf. Is 44,9-20), com a intenção de judeus fogem dos ídolos e viver sua fé com intensidade.
  1. A presença do livro de Daniel no Novo Testamento.

O Novo Testamento revela a presença da profecia de Daniel em quatro temas teológicos: angelology, a ressurreição, a vinda do Filho do homem, ea referência ao fim dos tempos.
Referências aos anjos que aparecem no NT têm suas raízes em diferentes tradições teológicas, mas a menção de Michael (Dan 10,13.21, 12.1) e Gabriel (Dan 8.16, 9.21) também aparece no NT . A carta de Judas contém uma tradição que Michael jogou o diabo do corpo de Moisés (Judas 9), e Apocalipse explica como Miguel e seus anjos em combate contra o dragão (Ap 12,7). Gabriel anuncia a Maria que ela vai conceber uma criança através do Espírito Santo (Lc 1,19.26).
Pensamento hebraico estava relutante em aceitar as idéias a respeito da ressurreição, porque eles foram contaminados pelo mitológico cananeu em causa, acima de tudo, o ciclo de Baal, mas a razão para a ressurreição lentamente escorria no Antigo Testamento (cf. Is 26-27), até que veio a ser formuladas com clareza (2Mac 7.14, Sb 3,1). A profecia de Daniel exprime a mensagem da ressurreição e da retribuição (Dn 12,2) com as categorias mais tarde jogar o NT (Mt 25,46, Jo 5.29, Atos 24:15).
A menção de "Filho do homem" (Dn 7.13) é a metáfora para a comunidade dos fiéis do Todo-Poderoso para manter a fidelidade ao Senhor durante a perseguição de Antíoco IV, a comunidade receberá o Reino e possuí-lo para sempre. O conceito teológico do "Filho do homem" mudou ao longo do tempo. De acordo com testemunhas do Apocalipse de Enoch, na época de Cristo, o Filho do Homem figura foi concebida sob a imagem de um indivíduo misterioso aparecer no final do tempo, em um trono de glória, como universal juiz, salvador e vingador de os justos. Os autores NT percebida após a menção de "Filho do homem" na profecia de Daniel (Dan 7.13) a vinda gloriosa de Jesus nas nuvens do céu (Mt 24,30, Mc 13,16, Lc 21,27 ). O texto de Mateus (Mt 26,64) e Mark (14,62) Dn mesclar o conteúdo de 7,13 e 110,1 Sal a cunhar a afirmação de Jesus diante do Sinédrio, com o qual ele confessa-se como o Filho do Homem sentado à direita do Todo-Poderoso e vindo sobre as nuvens do céu.
Discurso NT contém duas referências no livro de Daniel em relação aos acontecimentos dos últimos tempos. Em primeiro lugar, a menção de "abominação" (Mt 24,15, Mc 13,14), uma metáfora que vai sofrer a ignomínia de crentes no final da história, pegar a alusão de Daniel (Dan 9,27, 11,31 ; 12,11) sobre a perseguição de Antíoco contra os judeus. A expressão no evangelho "angústia, como não foi bem até agora desde o início deste mundo" (Mt 24,21, Mc 13,19), contém o conteúdo literal de 12,1 Dn. A mensagem de 13,43 Mt (os justos brilharão como o sol) evoca a metáfora do Dn 12.3 (os sábios resplandecerão como o sol), ea idéia expressa em 1 Cor 6,2 (os santos hão de julgar o mundo) se refere, certamente, o trabalho do homem velho que faz justiça aos fiéis expostos em Dan 7.22.
Bibliografia.
J. Asurmendi, O Livro de Daniel, JM Sanchez (ed.) Narrativa história apocalíptica, Estella 2000, 481-519.
L. Alonso - JL Sicre, Daniel, em Profetas vol II, Londres 1980, 1221-1308.
 
A. LaCoque, Daniel, International Bible Commentary, Ed Divine Word (Estella 1999) 990-1010.
Ludy JH, Daniel, na casa do Velho Testamento Comentário Bíblico Vol II, Madrid 1997, 239-318.
JL Sicre, um profeta em Israel, Estella 1992.
JM Abrego, livros proféticos, Estella 1997.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Seguidores

Marcadores

astrologia (177) signos (80) magia (78) espiritualidade (60) conceito (57) comportamento (55) (51) umbanda-astrologica (50) tarô (47) espaço (42) esoterismo (39) pesquisa (37) previsões (37) Astrofísica (35) taro (35) mulher (34) conceitos (33) pesquisas (31) gostosa (30) umbanda astrológica (29) estudo (26) horoscopo chinês (25) planetas (24) religião (24) horoscopo (23) astrofisica (22) bem estar (20) climazzen (20) cabala (19) arcanos (18) lua (18) astronomia (17) ciência (17) destino (17) energias (17) vibrações (16) arcanjo (15) cosmos (15) saúde (15) ifá (14) zodiaco (14) exu (13) mapa astral (13) umbanda-astrológica (13) Nasa (12) Quíron (12) beleza da mulher (12) terra (12) 2012 (11) estrela (11) ogum (11) planeta (11) poder (11) sensual (11) atriz (10) biblia (10) ensaio (10) lilith (10) lingerie (10) prazer (10) Candomblé (9) Foto (9) Sol (9) dragão (9) estudos (9) fotos (9) numerologia (9) protetores (9) rituais (9) Marte (8) RELAÇÕES MÍSTICAS (8) ancestrais (8) apresentadora (8) axé (8) escorpião (8) ex-BBB (8) odús (8) posa (8) 2016 (7) Astrônomos (7) astros (7) beleza (7) busca (7) cientistas (7) energia (7) galáxia (7) magia sexual (7) mistério (7) plutão (7) política (7) regente do ano (7) Estrelas (6) São Paulo (6) ano do Dragão (6) arcano (6) carma (6) casas astrologicas (6) força (6) mago (6) metodos (6) orgasmo (6) praia (6) saude (6) vídeo (6) astrologia sexual (5) babalawo (5) biquíni (5) caboclos (5) calendário maia (5) criança (5) câncer (5) mediunidade (5) proteção (5) reencarnação (5) sexualidade (5) xangô (5) Capricórnio (4) Amor e sexo (3) anjo de hoje (3) anjos da guarda (2) ( 45 graus ) (1)