Total de visualizações de página

quarta-feira, 30 de agosto de 2017

Astrofísica: Estrelas mais velozes da Via Láctea “fugiram” de outra galáxia

(ESO/B. Tafreshi/Creative Commons)

Elas escaparam de sua casa original - a Grande Nuvem de Magalhães, galáxia-anã a 160 mil anos-luz da Via Láctea. E agora correm por aqui.


Nas beiradas da Via Láctea, existem estrelas viajando a velocidades gigantescas. As mais rápidas chegam a atingir a marca dos mil quilômetros por segundo, e, não por menos, são chamadas de estrelas hipervelozes. Até agora, os cientistas identificaram 20 delas por aqui – quase todas no céu do Hemisfério Norte. De tão ligeiros, esses astros acabam eventualmente escapando de nossa galáxia, indo dar uma voltinha nas vizinhas. Até então, acreditava-se que toda essa rapidez era adquirida pela ação do buraco negro supermassivo que está no centro da Via Láctea. Ao passarem próximas ao buraco, as estrelas seriam atiradas como se fossem munição de um estilingue. Assim, ganhariam uma aceleração gigantesca, capaz de fazê-las acumular energia para conhecer novos roteiros espaciais. Mesmo com essa hipótese, algumas anomalias como o surgimento de estrelas hipervelozes sem a ação de buracos negros e o fato delas estarem quase sempre na mesma região, permaneciam sem um porquê. Um estudo recente desenvolvido por pesquisadores da Universidade de Cambridge, tentou resolver o impasse criando uma nova explicação para o fenômeno. Por meio de simulações computacionais e análise de dados espaciais, comprovou-se que nossas estrelas velocistas, na verdade, também são fugitivas de uma galáxia-anã vizinha: a Grande Nuvem de Magalhães. Lar das estrelas fujonas, ela orbita a Via Láctea e está localizada a cerca de 160 mil anos luz de distância.

Um astro que explode em uma supernova, por lá, consegue adquirir uma velocidade absurda. Isso porque além da explosão liberar grande quantidade de energia, a Grande Nuvem de Magalhães se move de forma bem rápida – a quase 1,5 milhão de km/h. Incapaz de segurar os astros apressadinhos por só ter 10% da massa da Via Láctea (e uma força gravitacional bem menor), a galáxia-anã os promove à classe de estrela fugitiva. “Essas estrelas pularam com o trem em movimento, [portanto] não é de se admirar que elas sejam rápidas”, conta Rob Izzard, um dos autores do estudo. “Isso também explica a posição que elas ocupam no céu, porque as fugitivas mais rápidas foram ejetadas da órbita da Grande Nuvem de Magalhães em direção às constelações do Leão e Sextante”, completa. Ambas as constelações, que abrigam o maior número de estrelas hipervelozes, podem ser vistas apenas no Hemisfério Norte. Apesar de conhecermos apenas 20 delas, estima-se que a Grande Nuvem de Magalhães tenha produzido um número bem maior delas. “Acreditamos que sejam pelo menos 10 mil outras fugitivas dispersas por todo céu”, diz Izzard. “Muitas acabarão caindo em outras galáxias, outras viajarão por bilhões de anos pelo espaço entre galáxias diferentes – e outras, morrerão ainda antes disso”.

domingo, 27 de agosto de 2017

Astrofísica: Estrela de brilho misterioso ganha nova explicação

Ilustração feita pela Nasa mostra uma estrela atrás de cometas despedaçados, uma explicação possível para o brilho excêntrico da estrela KIC 8462852 (JPL-Caltech/Nasa)

Astrônomos acreditam que irregularidade no brilho de KIC 8462852 é causada por planeta com anéis. Outros sugerem existência de construção extraterrestre


Uma estrela que vem intrigando cientistas acaba de ganhar uma nova explicação para seu brilho misterioso. Astrônomos sugerem que um planeta com anéis, parecido com Saturno, estaria orbitando a estrela desconhecida, fazendo com que parte de sua luz fosse bloqueada. Chamado KIC 8462852, o corpo luminoso ganhou destaque em 2015, depois de uma equipe de pesquisadores americanos descobrir que seu brilho oscilava anormalmente, como se algum objeto estivesse impedindo a passagem da luz de maneira irregular. Entre as diversas suposições para tentar explicar esse estranho comportamento, nenhuma de caráter conclusivo, a mais popular diz respeito a uma gigantesca construção alienígena que poderia estar envolvendo a estrela, localizada entre as constelações de Cisne e Lira, a 1.500 anos-luz da Terra (cada ano-luz equivale a 9,46 trilhões de quilômetros). A mais nova hipótese, porém, é menos fantástica: propõe que as oscilações no brilho do corpo celeste seriam causadas por um planeta com anéis, que bloqueia irregularmente a luz da estrela toda vez que passa por ela. Nesse cenário, primeiro os anéis bloqueariam parte do brilho. Depois o planeta passaria pelo astro, diminuindo ainda mais a quantidade de luz que chega à Terra. Então, os anéis bloqueiam parte da luz novamente. Segundo astrônomos da Universidade de Antioquia, na Colômbia, que formularam a hipótese, isso explicaria por que os padrões de oscilação não se repetem, uma vez que os anéis passam a um ângulo diferente a cada vez e seria necessário fazer muitas observações para identificar uma repetição.

Fenômeno misterioso - O comportamento incomum da KIC 8462852 foi percebido por uma equipe de pesquisadores liderada por Tabetha Boyajian, da Universidade de Yale, nos Estados Unidos, em outubro de 2015. Astrônomos sabem que uma variação periódica de 1% no brilho de uma estrela é comum e normalmente é causada por um planeta que orbita o astro. Porém, no caso da KIC 8462852, o que mais surpreende é que essas quedas são bem maiores, podendo chegar a 22% – o que levou pesquisadores a pensar que algo muito grande estaria interferindo no brilho da estrela. Estudos posteriores chegaram a sugerir que essa oscilação poderia ser causada por um ‘enxame’ de cometas ou até por um planeta que a estrela teria engolido 10.000 anos atrás e só agora estaria liberando a energia gerada pela colisão. Outros ainda afirmam que uma grande quantidade de lixo cósmico, espalhado no caminho entre a Terra e KIC 8462852, seria responsável por bloquear parte da luz da estrela e dar essa impressão de que o astro estaria “piscando”. Para testar a teoria do planeta com anéis, descrita em um artigo que está passando por revisão e será publicado no Monthly Notices of the Royal Astronomical Society (MNRAS), o astrônomo Mario Sucerquia e sua equipe simularam o comportamento que a luz teria caso um corpo celeste rodeado de anéis passasse pela estrela a cerca de um décimo da distância da Terra ao Sol. Eles descobriram que, a essa proximidade, a estrela exercia uma força sobre os anéis que fazia com que eles também oscilassem. Isso tornaria a silhueta dos anéis vista por um observador terrestre ainda mais irregular de trânsito em trânsito. Sucerquia afirma que também existem outras possíveis explicações para a anormalidade no brilho de KIC 8462852 – incluindo uma lua que poderia estar orbitando esse planeta. “O objetivo deste trabalho é mostrar à comunidade que existem mecanismos que podem alterar as curvas de luz”, diz Sucerquia, em entrevista ao New Scientist. “Essas mudanças podem ser geradas pela dinâmica de luas ou anéis, e alterações nesses sistemas podem ocorrer em escalas tão pequenas que devem ser detectadas só daqui a alguns anos.”

Fonte: Veja

Mistério de tábua da Babilônia é desvendado por cientistas

A tábua babilônia ‘Plimpton 322’, de 3.700 anos (Andrew Kelly/UNSW/Divulgação)

Placa de argila de 3.700 anos contém tabelas trigonométricas avançadíssimas, escritas mais de 1.000 anos antes que gregos desenvolvessem os cálculos


Quase um século de estudos revelou que as inscrições em uma placa babilônica de argila de 3.700 anos constituem a mais antiga tábua trigonométrica já conhecida. Composta de avançadíssimos cálculos possivelmente usados na construção de templos, palácios e canais, a placa foi cunhada cerca de 1.000 anos antes que o matemático grego Pitágoras ficasse conhecido pelo teorema da trigonometria que afirma que o quadrado da hipotenusa é igual à soma do quadrado dos catetos – a tábua traz não apenas a mesma conta, mas também uma série de outras fórmulas que os cientistas afirmam ser até mais precisas que as atuais.

Hiparco, um astrônomo grego que viveu no século II a.C., é considerado o pai da trigonometria (área da matemática que estuda relações entre os comprimentos dos lados e os ângulos dos triângulos), mas a placa de 13 centímetros de largura por 9 centímetros de altura, conhecida como Plimpton 322, revela que bem antes dele os babilônios haviam desenvolvido tabelas trigonométricas muito sofisticadas.

“A tábua abre novas possibilidades não apenas para a pesquisa da matemática moderna, mas também para a educação. Ela traz uma trigonometria mais simples e precisa que tem claras vantagens sobre a nossa. O mundo da matemática está começando a perceber o fato de que essa cultura antiga, mas muito sofisticada, tem muito a nos ensinar”, afirmou o matemático Norman Wildberger, professor da Universidade de New South Wales, na Austrália, e autor do estudo publicado nesta quinta-feira no periódico Historia Mathematica.

O cientistas Daniel Mansfield, da Universidade New South Wales (UNSW), com a tábua babilônia de 3.700 anos (Andrew Kelly/UNSW/Divulgação)


A mais antiga tábua trigonométrica - A placa foi descoberta no início do século XX em Senkereh, ao sul do Iraque atual, pelo arqueólogo americano e negociante de antiguidades Edgar Banks – figura que inspirou Indiana Jones, famoso personagem do cinema. Ela foi vendida por Banks ao editor americano George Arthur Plimpton que, em meados da década de 30, doou o objeto para a Universidade Columbia, nos Estados Unidos, e, desde então, ele tem intrigado os pesquisadores.

A tábua é composta de quatro colunas e quinze linhas de números gravados em escrita cuneiforme em que os babilônios, em vez de usar o sistema decimal, como o nosso (de base 10), usaram o sistema sexagesimal (de base 60). Os pesquisadores já haviam verificado que a tábua trazia o teorema de Pitágoras, mas ainda não sabiam qual havia sido seu uso. Alguns acreditavam que era um tipo de gabarito, empregado por professores para o ensino de matemática. “O grande mistério, até hoje, era o propósito das inscrições – por que aqueles escribas executavam a complexa tarefa de gerar e classificar os números na tábua?”, afirmou Daniel Mansfield, também autor do estudo. A análise de Wildberger e Mansfield mostrou que o padrão especial de números gravado na placa, chamado trios pitagóricos, podia ser usado para as construções urbanas da época. Os babilônios abordaram a aritmética e a geometria de maneira tão original que suas fórmulas poderiam até ser usadas, atualmente, na computação, segundo os pesquisadores. “Nosso estudo mostra que a Plimpton 322 descreve os formatos de triângulos retângulos utilizando um novo tipo de trigonometria baseado em proporções, não em ângulos e círculos, como fazemos hoje. É um trabalho matemático fascinante, que demonstra uma inegável genialidade”, afirmou Mansfield.

Um poderoso meteorito: viajante adiantado que visita o Hoba exposto, em torno de 1955

Foto:
Fotógrafo desconhecido através de cristais gigantes


Nota: num rumor de 28 toneladas, Armanty em Xinjiang, a China deveria ter feito a chamada, mas, infelizmente, informações e imagens relacionadas a este meteorito eram escassas.

O que temos aqui: uma das primeiras fotos conhecidas do Meteorito Hoba, em torno de 1930

Foto:
fotógrafo desconhecido através de cristais gigantes


Pensando ter desembarcado há menos de 80 mil anos, Hoba é composto por cerca de 84% de ferro e 16% de níquel, e continua a ser o mais grande e conhecido pedaço natural de ferro na superfície da Terra. Devido à sua grande massa, não foi movido de onde caiu desde que foi descoberto em 1920 por um fazendeiro arando seu campo - que ouviu uma raspa alta antes de seus bois chegarem a uma parada bastante abrupta. Tendo sofrido muito vandalismo, esta besta é visitada por milhares de turistas por ano.

Hoba, Namíbia. Peso estimado: Meteorito 60 toneladas

Foto:
Foto: coda


O vencedor fugitivo ao aproximar-se do dobro do peso de seu rival mais próximo, o Hoba da Namíbia deve ter feito algumas paradas. Medindo mais de 6,5 metros quadrados, essa laje de metal de 60 toneladas acredita ter sido abrandada pela atmosfera terrestre até o ponto em que caiu na superfície a uma velocidade que a deixou intacta e mal enterrada. Até foi sugerido que a forma inusitadamente plana do meteorito fez com que ele passasse muito, enquanto uma pedra saltadora salta através da água. Bonitos movimentos.

Magia Astrológica de Umbanda: buscadores e leitores, um número em crescimento



 Uma nova consciência na magia astrológica e na Umbanda de nossa era



Quero agradecer imensamente aos leitores que adquiririam meus livros. E fiquei muito feliz nesse mês onde se comemora o Dia dos Pais, cheguei a ficar em primeiro na lista de mais vendidos da Amazon, na categoria Religião e Espiritualidade, Judaísmo, Escrituras Sagradas e Cabala, com o livro das Clavículas de Salomão. 
Também, com aumento nas vendas do livro de Umbanda Astrológica, tanto na @Amazon, quanto Saraiva. Sendo que na Saraiva, só no dia dos pais, teve um aumento de 3% nas vendas. Fiquei muito feliz. E ainda, aumento na Livraria Cultura e diversas outras redes de lojas grandes do país. Fico muito honrado com o movimento da Umbanda Astrológica que cresce a cada dia! Com as dezenas de emails diários que chegam e com aumento dos seguidores nas redes sociais. 

Siga a Umbanda Astrológica no Twitter

Siga no Facebook

Siga no Linkedin

Compre seu livro aqui, pois são os últimos da segunda edição:

Saraiva

Cultura

Amazon

Shoptime

Americanas

Zoom

Buscapé

Submarino

Americanas Clavículas

 Folhashop

Shoppinguol

Grafia Livros

Cia dos Livros

Eba Livros

Magazine Luíza

Martins Fontes 

Compre e boa leitura.

Axé a todos!

Carlinhos Lima 

Halleluia: El Chaco de Campo del Cielo de 37 toneladas colocou em escala

Foto:
Fotógrafo desconhecido via Jensen Meteorites


El Chaco foi localizado em 1969 a uma profundidade de 5 metros usando um detector de metais, embora suas crateras circundantes - estimadas em 4.000 a 5.000 anos de idade - foram relatadas em 1576 e já conhecidas pelos habitantes aborígenes da região. Sensacionalmente, em 1990, um policial argentino local frustrou uma trama do caçador de meteoritos Robert Haag para roubar El Chaco, que na época já havia sido transferido do país.

El Chaco, Argentina: Peso estimado: Meteorito de 37 toneladas

Foto:
Fotógrafo desconhecido via Planeta Pia


O maior fragmento do meteorito de ferro que se fragmentou para formar o grupo de meteoritos do Campo del Cielo e o campo de crateras de 60 quilômetros quadrados do mesmo nome na Argentina, El Chaco é um mandril colossal de um objeto espacial. É o segundo meteorito mais pesado de uma única peça recuperado na Terra - embora a massa total dos fragmentos de Campo del Cielo faria que ele reivindicasse o título em um galo.

Operação precária: O Meteorito Ahnighito sendo lançado a bordo do navio de Peary

Foto:
Fotógrafo desconhecido via Meteorite Recon

Levou Peary três anos para obter os meteoritos pesados ​​para os navios - para não mencionar a construção da única estrada de ferro da Groenlândia mais uma inesperada ajuda inuit -, mas o explorador conseguiu vender seus prêmios ao Museu Americano de História Natural por um bom US $ 40.000. No museu, onde o meteorito permanece até hoje, uma prateleira de exibição precisava ser construída, cujos suportes alcançam diretamente o suporte rodoviário abaixo para segurar o maciço 12,1 metros quadrados de Ahnighito.

Meteoritos - Ahnighito, Cape York, Groenlândia: 31 toneladas

Foto:
Foto: VSmithUK

O maior pedaço do meteorito de Cape York, Ahnighito, conhecido pelos Inuit como Tenda, está em 31 toneladas, o meteorito mais pesado já movido pelo homem. Os rumores do ferro da Gronelândia chegaram aos círculos científicos em 1818, mas foi 1894 antes que o explorador do Ártico americano Robert E Peary finalmente localizasse sua fonte - com a ajuda de um guia local sem nome.

Dig this: meteorito de Bacubirito encontrado em 1863

Foto:
fotógrafo desconhecido via Meteorite Art



O monstro de um meteorito que é Bacubirito foi descoberto pelo geólogo americano Gilbert Ellis Bailey em 1892 - que tinha sido enviado pelo diário de Chicago Interocean para a América Central e do Sul - e escavou com a ajuda de pessoas locais. Como todos os meteoritos, foi nomeado após o lugar onde foi encontrado. Uma poderosa estrela cadente disparada.

Meteoritos! Bacubirito, México: Peso estimado: 22 toneladas

Photo: 
Photographer unknown via Meteorite Art

O grande meteorito de Bacubirito é, sem dúvida, o melhor do México e um dos maiores objetos espaciais únicos que foram enviados em um curso de colisão com a Terra e sobreviveu. Estimado para pesar 22 toneladas, esta lajeira de ferro torta e de quatro metros de comprimento está em exibição no Centro de Ciências de Sinaloa em Culiacan, onde atrai visitantes interessados ​​em medir isso.

Mudando um nódulo: meteorito de Agpalilik sendo movido

Foto:
Fotógrafo desconhecido via Gabriel
O meteorito de Cape York a partir do qual o Agpalilik é derivado esmagado na Terra há quase 10.000 anos e é um dos maiores meteoritos de ferro do planeta. Durante séculos, os inuit que viviam perto das peças localizadas anteriormente usavam-nas como fonte de metal para ferramentas e armas, antes que os contos de sua existência passassem os ouvidos dos cientistas de volta em 1818. Entre 1818 e 1883, cinco expedições se dispunham a rastrear o malandro Fonte de ferro, tudo isso falhou.

Meteorito: Agpalilik, Groenlândia - Peso estimado: 20 toneladas

Foto:
Foto: FunkMonk


Descoberto em 1963 por Vagn F. Buchwald, Agpalilik, também conhecido como o Homem, é o quarto maior pedaço do meteorito de Cape York da Gronelândia e o menor dos dois visitantes celestiais do Cabo que fazem nossos sete melhores. Ainda assim, a menos de modestas 20 toneladas, não se deve zombar, e pode ser visto no Museu Geológico em Copenhague.

Meteorito - Mbosi, Tanzânia: Peso estimado: 16 toneladas

Foto:
Fotógrafo desconhecido via Jensen Meteorites

Oficialmente descoberto em 1930 - embora no momento acredita ser uma pedra sagrada para os povos indígenas - Mbosi é o gigante do meteorito da Tanzânia, um grande espaço de metal espacial estimado em 16 toneladas. Tal como acontece com muitos meteoritos, não há nenhum sinal da cratera que deve ter criado ao golpear a superfície da Terra, o que pode indicar que ele rolou como um pedregulho após o desembarque ou simplesmente afirmar que está aqui há milhares de anos.

Aspirantes supermen: dois meninos sentados no Meteorito Willamette 1911

Foto:
Foto: Museu Americano de História Natural publicado no New York Times

Embora reverenciado por nativos americanos - que ainda afirmam que deve ser devolvido - a descoberta moderna de Willamette foi feita pelo colono Ellis Hughes em 1902. Reconhecendo seu significado, Hughes passou três meses de trabalho duro, movendo o meteorito ¾ de uma milha de terras pertencentes ao Oregon Iron and Steel Company para tentar reivindicá-lo como seu próprio. Ele foi pego no entanto, e o meteorito foi posteriormente comprado por US $ 26.000, que depois será exibido no Museu Americano de História Natural.

Willamette, EUA: Peso estimado: 15,5 toneladas - o fantástico meteorito

Photo: 
Photo: Dante Alighieri

Em 7,8 metros quadrados e 15,5 toneladas, Willamette é o maior meteorito encontrado nos EUA, um pingo peculiarmente picado composto por 91% de ferro e 7,62% de níquel, sem cratera de impacto preservada em seu local original no Oregon.

sexta-feira, 25 de agosto de 2017

De volta ao dia: Willamette meteorite pré-1923

Foto:
Fotógrafo desconhecido via NASA
Magníficos e mais importantes meteoritos conhecidos na Terra - monstros de ferro que permaneceram em uma peça por milhares de anos.

Astrofísica: Ahnighito ou Tent meteorite

Foto:
Ahnighito ou Tent meteorite c.1894: Fotógrafo desconhecido via Meteorite Recon

Como fugitivos fugindo de sistemas solares distantes, os meteoros atravessam a atmosfera da Terra, iluminando os olhos dos observadores no chão. Muitas vezes, essas bolas de fogo de metal e rocha queimam em uma chama de glória, e muitos não sobrevivem ao impacto delas com a superfície da Terra. Aqueles que fazem, porém, começam uma vida mais estabelecida aqui na Terra como meteoritos. Alguns podem até mesmo ser os novos xerigos na cidade - eles são tão grandes e resistentes à intempérie.

domingo, 20 de agosto de 2017

Astrofísica: O eclipse solar e a beleza da escuridão

As cenas do espetáculo - Montagem de fotos mostra como se dá um evento do gênero (no caso, ocorrido em 2009) (Biju Boro/AFP)

Um eclipse solar que poderá ser visto de costa a costa do território americano leva milhões de pessoas a pegar estrada e lotar voos e hotéis



Quem esteve conectado nas últimas semanas – de olho nos sites de notícias, no Facebook, no WhatsApp – muito dificilmente ficou alheio às alusões variadas ao que seria “um dos maiores eventos deste século”. O frenesi se deve a um fenômeno que tomará os céus dos Estados Unidos entre este domingo (20) e a segunda-feira (21). Nesse período, ocorrerá um eclipse solar total – quando a Lua se interpõe entre a Terra e o Sol, deixando-o oculto – que poderá ser observado da costa leste à costa oeste americana, numa faixa de 100 quilômetros de largura. Com isso, por alguns minutos, cidades inteiras dos Estados Unidos ficarão sob um autêntico apagão, com a população com olhos voltados para cima. Os “turistas astronômicos” devem inundar estradas e voos na busca de locais para admirar o chamado Grande Eclipse Americano (não, não se trata de uma referência a Donald Trump), movimento que se justifica porque a última vez em que um eclipse solar total pôde ser observado nos Estados Unidos foi há 38 anos. No Brasil, o efeito será apenas parcial e visível nas regiões norte e nordeste do país. Para quem tiver o privilégio de assistir ao espetáculo, uma informação importante: sem filtros adequados, nunca se deve olhar diretamente em direção ao Sol.
Por Filipe Vilicic, Jennifer Ann Thomas (Veja)

terça-feira, 15 de agosto de 2017

Astrofísica: Metade dos nossos átomos veio de outras galáxias

(Reprodução | Guardian Wires/YouTube)

Simulação de computador resume os 13 bilhões de anos da Vila Láctea – e descobre que 50% de sua matéria foi sugada de explosões em galáxias próximas



O nascimento dos átomos que formam você foi muito mais divertido do que o seu: simulações de computador feitas na Northwestern University, nos EUA, revelam que metade de todo o material da Via Láctea (e, portanto, do seu corpo) não foi fabricado por aqui – mas forjado no núcleo de imensas estrelas de galáxias vizinhas, e então expelido para cá em explosões monumentais. A descoberta vai na contramão das teorias vigentes, que até então não consideravam esse troca-troca de material uma parte tão relevante da formação de aglomerados de estrelas. Funciona assim: galáxias de grande porte como a Via Láctea, com algo entre 100 mil e 180 mil anos-luz de diâmetro, são cercadas de satélites – às vezes chamados de galáxias-anãs. Eles são algomerados de estrelas menores que o nosso, mas de maneira alguma pequenos. A Grande Nuvem de Magalhães (LMC), por exemplo, tem 14 mil anos-luz de diâmetro. Sua irmã menor, a Pequena Nuvem de Magalhães, tem exatamente metade do tamanho e 7 bilhões de vezes a massa do Sol. Às vezes uma estrela de grande porte que “mora” em uma dessas pequenas galáxias chega ao final do seu ciclo de vida. E então ela explode. O fenômeno está muito além do que um ser humano pode imaginar: arremessa trilhões de toneladas de gás com tanta violência que esse material consegue escapar da atração gravitacional de seu aglomerado de origem e acaba “caindo” na galáxia mãe, muito maior. Por meio desse processo, todo ano a Via Láctea ganha o equivalente à massa de um Sol. Parece pouco – e realmente não é muita coisa na escala cósmica. Mas multiplique isso pelos 13 bilhões de anos que se passaram desde que tudo começou e a conta começa a fazer sentido.

“Os ventos galácticos contribuem com uma quantidade muito mais significativa de material do que pensávamos. Esse é um novo modelo de crescimento de galáxias, que nós não havíamos considerado antes”, declarou à imprensa Daniel Anglés-Alcázar, pesquisador responsável. “A ciência é muito útil na hora de encontrar nosso lugar no universo. Nós somos como visitantes ou imigrantes na galáxia que chamamos de nossa.” Para chegar a essa conclusão, é preciso usar supercomputadores capazes de calcular, de acordo com as leis da física, cada movimento da dança cósmica entre a Via Láctea e suas irmãs menores desde que elas se formaram – e então acelerar “o vídeo” o suficiente para assistir a uma versão resumida das trocas de gás. Afinal, ninguém tem 13 bilhões de anos para ficar na frente do computador. O processo completo está descrito no artigo científico, de acesso gratuito – e você pode ver um trecho abaixo. Por Bruno Vaiano (Superinteressante)

Astrofísica: Somos poeira de estrelas

A matéria-prima do ar, das rochas e da vida foi e continua sendo forjada pelas pressões gigantescas que existem no coração das maiores estrelas.



 O astrônomo americano Carl Sagan, provavelmente o maior divulgador científico de todos os tempos, costumava dizer que nós – humanos, seres vivos da Terra, o próprio planeta e todo o sistema solar – somos poeira das estrelas. Era o modo lírico dele de explicar nossas origens no Universo. Só surgimos porque outras estrelas morreram há bilhões de anos, espalhando pelo espaço matéria composta de elementos químicos que viriam a nos constituir tempos depois. Esse, na verdade, é o processo de vida e morte que permeia todo o Cosmo. As primeiras estrelas nasceram por volta de 100 milhões de anos depois do big-bang (que aconteceu há 13,7 bilhões de anos), em condições bastante diferentes das que formam novas estrelas hoje. Foi a morte delas, no entanto, em eventos violentos e espetaculares, que abriu caminho para a formação de sistemas solares como o nosso. Nos primórdios do Universo só havia no espaço os elementos químicos hidrogênio e hélio. Foi o calor gerado pela explosão dessas primeiras estrelas, mais ou menos 1 bilhão de anos depois, que ajudou a produzir e espalhar os elementos necessários à vida: carbono, nitrogênio e oxigênio, além de ferro, fósforo etc. Até o surgimento da Terra, no entanto, passou-se mais um bom tempo. Essas explosões espetaculares de estrelas são conhecidas como supernovas. Elas ocorrem, por exemplo, quando estrelas enormes, com massa superior a 8 vezes a do nosso Sol, consomem todo o combustível em seu interior e ficam incapazes de se sustentar. Sem o suporte, a matéria de seu exterior acaba despencando em direção ao núcleo, e a estrela sofre um colapso. Isso provoca um aumento de temperatura e pressão e ela explode, lançando estilhaços de carbono, oxigênio etc. Nesse momento, o brilho é tão forte que lembra mais o de um cometa – sem cauda, claro. Essas explosões acabam funcionando como os grandes motores das transformações cósmicas. O material jogado no espaço vai formar outras estrelas, outros planetas. Como diria o físico brasileiro Marcelo Gleiser, “do espaço viemos e para o espaço retornaremos”. A avó da terra Há uns 5 bilhões de anos, um astro com massa várias vezes a do nosso Sol explodiu. Ele deixou um cadáver imenso de gás e poeira, com cerca de 24 bilhões de quilômetros. Assim nasceu o nosso sistema solar. “A vida é apenas um vislumbre passageiro das maravilhas que existem no Universo.” Carl Sagan


Texto Giovana Girardi - (Superinteressante)

Descoberta: Adaga encontrada em tumba de faraó veio do espaço

Agora, cientistas tentam descobrir de que meteorito o ferro da adaga veio (Foto: Divulgação/Museu Egípcio do Cairo)

Pesquisadores encontraram traços de ferro proveniente de meteorito na arma enterrada com Tutancâmon


Pesquisadores concluíram que uma adaga encontrada no sarcófago do faraó Tutancâmon (1346-1327 a.C.) veio, literalmente, do espaço. Em uma análise para determinar a origem do ferro que compõe a arma, os cientistas descobriram que o material é proveniente de um meteorito. O estudo, feito em parceria pelo Museu Egípcio do Cairo e pelas universidades de Pisa e Politécnica de Milão, foi publicado na revista científica Meteoritics & Planetary Science. Os cientistas escreveram no artigo que a descoberta desta adaga feita com ferro de meteorito é um grande passo na elucidação do misterioso “ferro caído do céu”, relatado em diversos textos egípcios, hititas e mesopotâmicos. A principal hipótese dos cientistas é a de que os egípcios consideravam o “ferro caído do céu” divino e o utilizava para aplicações extremamente raras, como o enterro de um faraó. “Se já existia na época, o derretimento de ferro provavelmente produzia ferro de baixa qualidade para objetos reais e preciosos. Assim, esta descoberta também comprova que os egípcios já tinham sucesso trabalhando com ferro ainda no século 14 a.C.”, escrevem os pesquisadores. Na própria tumba de Tutancâmon, os cientistas encontraram outro objeto intrigante: um colar peitoral com um amuleto esverdeado em formato de escaravelho, construído com vidro de sílica do deserto. Como este material só existia de forma natural na região desértica da atual Líbia, os pesquisadores supõem que o vidro usado no amuleto tenha sido gerado pelo impacto de um meteorito ou de um cometa nas areias do deserto do Antigo Egito. De que és feita, ó adaga? A técnica usada pelos pesquisadores para a analisar a adaga não danificou o objeto. Eles realizaram uma forma de análise não invasiva, utilizando um espectrômetro de fluorescência de raios-X, que pode determinar a composição química dos materiais. De acordo com o estudo publicado, a lâmina da adaga encontrada na tumba de Tutancâmon contém cerca de 11% de níquel. Artefatos produzidos com minério de ferro terrestre apresentam índices de, no máximo, 4% de níquel. “O ferro de meteorito está claramente indicado pela presença de alta porcentagem de níquel”, disse Daniela Comelli, da Universidade Politécnica de Milão, em entrevista ao canal Discovery News. Além das taxas correspondentes de níquel, os pesquisadores encontraram na lâmina menores quantidades de carbono, cobalto, enxofre e fósforo, elementos comumente encontrados em meteoritos. Agora, os pesquisadores continuarão a analisar os outros objetos encontrados na tumba do faraó, que morreu jovem, aos dezenove anos, de causas desconhecidas. Em paralelo às análises, os pesquisadores estão comparando amostras de meteoritos ferrosos catalogados que tenham caído num raio de dois mil quilômetros ao redor do Mar Vermelho. *Com supervisão de Nathan Fernandes (Revista Galileu)

Análises recentes mostram que o material de que é feito um dos punhais encontrados junto da múmia do jovem faraó provém de um meteorito.

quarta-feira, 9 de agosto de 2017

Astrofísica: Tática de defesa será testada em asteroide que passará pela Terra

O asteroide mede entre entre 10 e 30 metros, um pouco maior do que o asteroide que atingiu Chelyabinsk, na Rússia, em 2013, deixando 400 feridos. No entanto, segundo os cientistas, o objeto se aproximará a uma distância segura do nosso planeta (Divulgação/iStock)

Uma rocha que voará a 'apenas' 6.800 quilômetros do nosso planeta, sem oferecer risco, será usada pela Nasa para testar detecção e rastreamento de ameaças



Desde que um cientista da Nasa declarou que a Terra não estaria preparada para barrar um asteroide “surpresa” que se aproximasse sem ser detectado, a preocupação do público vem crescendo em relação a uma potencial ameaça. Mas, para proteger nosso planeta, a agência espacial americana já está desenvolvendo um poderoso sistema de defesa planetária. E a passagem de uma rocha espacial a 6.800 quilômetros da Terra (perto, em termos cósmicos, mas não o suficiente para oferecer qualquer risco) será a chance perfeita para testar essas novas tecnologias. Segundo a Nasa, que anunciou o experimento neste fim de semana, a oportunidade colocará à prova os observatórios e cientistas responsáveis por detectar e rastrear asteroides potencialmente perigosos. “Cientistas sempre apreciaram saber quando um asteroide fará uma passagem próxima e segura pela Terra, porque eles podem fazer preparativos para coletar dados, caracterizar [o objeto] e aprender o máximo possível sobre ele”, disse Michael Kelley, cientista envolvido no programa e líder da campanha de observação do TC4, como foi batizado o asteroide que será objeto de estudo. “Desta vez, estamos adicionando outros esforços, usando este voo próximo para testar a rede mundial de detecção e rastreamento de asteroides, avaliando nossa capacidade de trabalhar juntos para encontrar uma potencial ameaça real.”

O TC4 tem entre 10 e 30 metros, um pouco maior do que o asteroide que atingiu Chelyabinsk, na Rússia, em 2013. Ainda assim, é relativamente pequeno, se for levado em conta que o asteroide responsável por extinguir os dinossauros tinha quase dez quilômetros. Os cientistas, no entanto, garantem que, assim como a maioria dos Near Earth Objects (NEOs, na sigla em inglês, traduzida como “Objetos Próximos à Terra”), o TC4 não oferece nenhum risco de colisão catastrófica com o nosso planeta. Ele foi escolhido pela Nasa porque, desde que foi descoberto em 2012, está fora do alcance dos telescópios. Quando ele se aproximar da Terra, os cientistas esperam utilizar grandes telescópios para rastreá-lo e restabelecer sua trajetória precisa, assim como definir sua órbita, determinando exatamente a que distância que ele passará do nosso planeta. “Este é o alvo perfeito para esse exercício, porque conhecemos a órbita do TC4 suficientemente bem para ter certeza absoluta de que não impactará a Terra, mas ainda não estabelecemos sua trajetória exata”, afirmou Paul Chodas, diretor do Centro de Estudos de Objetos Próximos à Terra (CNEOS, na sigla em inglês). “Compete aos observatórios obter uma correção [na trajetória já conhecida] do asteroide à medida que se aproxima e trabalhar em conjunto para obter observações de acompanhamento para fazer determinações de órbita de asteroides mais refinadas.”

Astrofísica: EUA terá eclipse solar total em agosto – no Brasil, será parcial

Um eclipse solar total é visto a partir da cidade de Ternate, na Indonésia, nesta quarta-feira (09) (Beawiharta/Reuters)

Fenômeno será visível em alguns estados do Norte e do Nordeste do Brasil. Já nos EUA, ele poderá ser observado em todo o país


Com a chegada de agosto, um novo espetáculo celeste se aproxima: um eclipse solar que escurecerá os céus no próximo dia 21. Nos Estados Unidos, ele será total (quando a Lua cobre completamente o Sol). Aqui no Brasil, porém, ele será parcial e apenas uma parte do Sol ficará encoberta, formando, em algumas localidades, uma meia-lua luminosa. Além disso, o fenômeno só poderá ser visto em estados brasileiros do Norte, Nordeste e algumas partes do Centro-Oeste e Sudeste. Segundo o astrônomo Daniel Mello, do Observatório do Valongo, que pertence à Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), o eclipse não poderá ser observado em São Paulo e Rio de Janeiro e também na região Sul. “As melhores capitais para observação serão Bela Vista, em Roraima, e Macapá, no Amapá, onde o eclipse terá duração aproximada de duas horas e a Lua irá encobrir aproximadamente 40% do Sol”, afirma. “Em Bela Vista, o eclipse começará às 14h56 e, em Macapá, às 16h09 [horário local].” Segundo ele, quanto mais ao sul do país, menor será a fração do astro encoberta pela Lua. “Em Goiânia, por exemplo, o eclipse será muito tênue. O Sol ficará apenas 1% encoberto e o fenômeno terá duração de 27 minutos.”

Já nos Estados Unidos, o eclipse solar total (com o Sol 100% encoberto pela Lua) poderá ser observado apenas nos estados de Oregon, Wyioming, Idaho, Nebraska, Missouri, Kentucki, Tenessee, Georgia, Carolina do Sul, Kansas, Illinois e Carolina do Norte. “Nos estados de Missouri, Kentucky, Tenessee e Illinois, o fenômeno deve ter quase três horas de duração, embora o instante máximo de eclipse total seja muito curto, na faixa de dois minutos”. No resto do território americano, será possível assistir a um eclipse parcial, mas com maior duração do que no Brasil.

Eclipse total - De acordo com Mello, eclipse solares não são fenômenos tão raros quanto parecem ser. Eles ocorrem de tempos em tempos, quando a Lua, em sua órbita em torno da Terra, passa exatamente na frente do Sol, ocultando-o, parcial ou completamente, e gerando sombra em locais específicos da Terra. “Neste ano, já tivemos um eclipse solar total na Argentina, Chile e países da costa africana. Teremos outro na Argentina e no Chile em 2 de julho de 2019.” No Brasil, só teremos a oportunidade de assistir a um eclipse total do Sol em 12 de agosto de 2045. O diferencial do espetáculo celeste que ocorrerá no próximo dia 21, para os americanos, é que o fenômeno será observável com pelo menos uma parte do Sol encoberta de costa a costa do país. O evento conquistou tanta popularidade que está sendo chamado pelos americanos de o “maior eclipse da história” e contará, inclusive, com uma transmissão ao vivo feita pela Nasa para todo o mundo. A fama não é à toa, pois esse tipo de fenômeno tem grande valor para os astrônomos. “Em um eclipse solar total, é possível observar uma região especial do Sol chamada coroa solar. Os astrônomos têm muito interesse em estudar essa camada para compreender melhor o mecanismo de geração de partículas elétricas do Sol”, explica Mello. “Estas partículas chegam até a Terra e podem afetar satélites artificiais, estações e naves espaciais, além de interagir com o campo magnético do planeta e poder causar danos em torres de transmissão de energia elétrica.” Mesmo para o resto da população, o eclipse também tem sua relevância. “Para o cotidiano das pessoas, o fenômeno é importante tanto pela chance de contemplar um dos fenômenos astronômicos mais belos, quanto do ponto de vista cultural, possibilitando um melhor entendimento, interação e reflexão do homem frente aos aspectos naturais que o cerca”, diz o astrônomo.

Cuidados na observação - É importante lembrar, no entanto, que um eclipse não deve ser observado diretamente. “Nunca se deve olhar para o Sol sem proteção”, adverte Gustavo Rojas, astrônomo da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). “A intensa radiação solar pode danificar a visão em instantes. Por isso, é preciso utilizar proteção adequada, como filtros astronômicos ou vidros como os usados em máscaras de solda.” O especialista também alerta que não se deve utilizar óculos, binóculos ou telescópios, instrumentos que concentram os raios solares e podem causar graves danos à visão. Para quem for observar o fenômeno aqui no Brasil, o equipamento mais adequado é um filtro astronômico feito com um polímero que permite a passagem de uma fração minúscula da luz. Esse equipamento, no entanto, não é vendido aqui no Brasil e precisa ser encomendado. Por isso, o astrônomo sugere utilizar um vidro de máscara de solda com tonalidade 14, que é facilmente encontrado em lojas de material de construção.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Seguidores

Marcadores

astrologia (179) magia (81) signos (81) espiritualidade (60) conceito (57) Astrofísica (56) comportamento (55) espaço (53) (52) umbanda-astrologica (50) tarô (47) esoterismo (39) pesquisa (37) previsões (37) taro (35) mulher (34) conceitos (33) pesquisas (31) gostosa (30) umbanda astrológica (29) estudo (26) astrofisica (25) horoscopo chinês (25) religião (25) planetas (24) horoscopo (23) ciência (22) bem estar (20) climazzen (20) cabala (19) arcanos (18) astronomia (18) lua (18) destino (17) energias (17) terra (17) vibrações (16) arcanjo (15) cosmos (15) saúde (15) ifá (14) zodiaco (14) estrela (13) exu (13) mapa astral (13) planeta (13) umbanda-astrológica (13) Nasa (12) Quíron (12) beleza da mulher (12) 2012 (11) ogum (11) poder (11) sensual (11) atriz (10) biblia (10) ensaio (10) fotos (10) lilith (10) lingerie (10) prazer (10) Candomblé (9) Estrelas (9) Foto (9) Sol (9) dragão (9) estudos (9) numerologia (9) protetores (9) rituais (9) Marte (8) RELAÇÕES MÍSTICAS (8) ancestrais (8) apresentadora (8) axé (8) cientistas (8) escorpião (8) ex-BBB (8) galáxia (8) mistério (8) odús (8) posa (8) 2016 (7) Astrônomos (7) astros (7) beleza (7) busca (7) energia (7) magia sexual (7) plutão (7) política (7) regente do ano (7) São Paulo (6) ano do Dragão (6) arcano (6) carma (6) casas astrologicas (6) força (6) mago (6) metodos (6) orgasmo (6) praia (6) saude (6) sexualidade (6) vídeo (6) astrologia sexual (5) babalawo (5) biquíni (5) caboclos (5) calendário maia (5) criança (5) câncer (5) mediunidade (5) proteção (5) reencarnação (5) xangô (5) Capricórnio (4) Amor e sexo (3) anjo de hoje (3) anjos da guarda (2) ( 45 graus ) (1)